segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

O Segredo da Alegria by Karen Berg

O Segredo da Alegria
Há quem diga que se soubéssemos o quão verdadeiramente perfeita é a vida, olharíamos para o céu rindo. Se estivermos abertos a isso, esta revelação pode ser nossa esta semana.
É verdade que quando olhamos para o mundo, o vemos em toda a sua beleza. Maravilhamo-nos com o céu, o sol, com o reino animal, com os peixes que habitam os mares e com todas as espécies de seres humanos que formam uma tapeçaria gloriosa. Albert Einstein disse uma vez: “Só há duas maneiras de viver a vida: como se nada fosse um milagre, ou se se tudo fosse um milagre”.                             

Todos os dias, centenas de milhar de novas almas nascem em novos corpos, formados por lindas e delicadas complexidades, como olhos, pequenos dedos dos pés, das mãos, órgãos e corações pulsantes. Em cada dia, o sol nasce e todas as criaturas de Deus acordam no planeta inteiro para criar uma sintonia destes corações latejantes e mentes pensantes, todos abençoados com a capacidade de viver um novo dia. O Universo ajuda-nos nesta semana a ver a perfeição da vida. A vida é boa. O amor rodeia-nos. Os milagres abundam. Há uma perfeição Divina a tecer a malha da nossa vida.

Na porção desta semana, Miketz, lemos sobre a ascensão de José. Ao fim de dois anos, as suas dificuldades chegaram finalmente ao termo. José tinha sido capaz de controlar a sua consciência durante aquele período e conseguiu assim ver a perfeição do desenrolar da sua vida. José é libertado da servidão e torna-se o governante de todo o Egipto. A noite termina para José e inicia-se um novo dia.

Também para nós é altura de brilhar e regozijarmo-nos. Estamos a ser conduzidos para um novo e melhor capítulo das nossas vidas. Se tentarmos, conseguimos ver as nossas vidas perfeitas como são, sem dúvidas, julgamentos, preocupações ou arrependimentos. Tal como o Criador tinha um plano perfeito para José, também a Luz tem para cada um de nós um plano perfeito. Celebremos esta grande verdade!

Não é coincidência que esta seja também a semana de Chanukah, em que podemos aceder a uma tremenda quantidade de Luz, tornada acessível apenas nesta altura do ano. Esta é a Luz dos milagres que tem o profundo poder de eliminar o caos e a tristeza, e de substituí-los com a maior felicidade que podemos imaginar.

Tomem um momento, enquanto leem isto, para fechar os olhos e respirar profundamente. Comecem a pensar em toda a vossa vida, meditando em todos as vossa bênçãos, talentos e qualidades, nos muitos tesouros que possuem. Estão a incluir o sopro da vida? A bênção de ter mais um dia para viver, amar e aprender? Estão a incluir aqueles que vocês amam? O céu, o sol, a lua, os olhos calorosos de um amigo? Há pessoas na vossa vida que gostam de vocês. Vocês têm mãos para dar e para apoiar outros. Sintam a vida que estão a viver e sintam a gratidão por todas as vossas bênçãos.      
     
Sabem, o segredo da alegria é saber que estão a receber exactamente o que necessitam em cada momento. A vossa vida é o mais perfeito sistema possível, desenhado especialmente para vocês. Quando vimos a este mundo, a nossa alma escolhe o contexto e a família específicos para ajudar a limpar o nosso karma. Escolhemos os pais que temos e até a nossa aparência. Tudo é desenhado para servir o nosso melhor interesse. A dor de olhar para outro com inveja é na verdade acreditar que o Criador não sabe o que está a fazer. A inveja é o maior destruidor da alegria. Como tenho dito muitas vezes, o castigo da inveja é precisamente esse, ser invejoso.  Alegria é saber que tudo o que temos nas nossas vidas é exactamente o que deve ser.   
   
Talvez, se puderem, possam encontrar tempo nesta semana para dar um passeio e banhar-se em toda a glória da vossa vida. Ergam a cabeça para o céu e riam. Que ricos vocês são, verdadeiramente! Foquem-se e vejam todos os tesouros da vossa vida, as pessoas que vos amam e as pessoas que precisam do vosso amor. Cada um de nós é um sobrevivente e um poderoso regente da sua vida. Nesta semana, alegremo-nos com isto e com tudo o que é bom.
Com todo o meu amor
Karen

terça-feira, 5 de dezembro de 2017

Aprecie Tudo (Mesmo As Bolas Com Efeito Que A Vida Devolve) | Por Karen Berg

Nesta época do ano, quando o clima está frio e os dias são mais curtos, eu penso em todas as sementes que estão a espera no fundo da terra. Eu penso na beleza que virá na primavera, mesmo agora quando as folhas estão morrendo, e parece não haver nem cor, nem vida. Eu penso em toda vida que ainda está por vir.
É assim que funciona a vida. Existe um ciclo das estações e assim também acontece em nossas vidas. Eu gostaria de dizer que na vida não teremos invernos – mas teremos. Eu gostaria de prometer uma vida sem desafios, mas não posso. Estar vivo é ter desafios. A chave para superar esses momentos é enxergá-los da forma que realmente são: oportunidades para aprender, crescer e chegar cada vez mais perto da realização. Na porção desta semana, José se encontra em situações bem difíceis. Seus irmãos tentaram matá-lo, e como não conseguiram, eles o jogaram em uma cova. Então, o venderam como escravo a estrangeiros, em uma terra desconhecida onde ele acabou na cadeia por um crime que não cometeu. Nada fácil, certo pessoal? Esses tipos de situações aparentemente nunca acontecerão para nós, mas com certeza nos veremos em alguns momentos negativos durante a vida.  Momentos em que questionamos: “Deus, por que isto está acontecendo comigo?”. Momentos em que dizemos: “Ei, eu sou uma boa pessoa. Olhe para todo o bem que já fiz. Eu doei algum dinheiro quando eu pude. Eu ajudei alguns amigos quando eles precisaram. Eu não matei ninguém. Por que isso está acontecendo comigo?”.  Quando sentimos que a vida está nos jogando uma bola com efeito e as coisas ficam difíceis, vamos tentar nos colocar em um lugar onde podemos apreciar que tudo que está acontecendo é para nosso próprio bem, mesmo não entendendo o motivo. Um lugar onde confiamos no Criador e na sabedoria do Universo.
José manteve a certeza de que tudo que estava vivendo vinha da Luz e por uma boa razão. E mais, ele sabia que o que estava vivendo era mesmo necessário. Caso José não tivesse sido vendido ao Egito, a limpeza espiritual do povo de Israel não teria acontecido. Por causa de seu nível de consciência, José transformou cada perigo em uma benção.  A maioria de vocês sabe como a história termina. José se torna o governador de todo o Egito e todas as riquezas passaram por suas mãos. Nós também podemos nos elevar até esse nível. Todos nós temos o poder de José dentro de nós e conseguimos acessá-lo ao saber que há o bem em todas as dificuldades que estamos enfrentando. Com frequência, ao mudar um pouquinho nossa percepção, podemos apreciar cada desafio como um passo importante e vital para o nosso próximo nível. Cada um de nós, eu espero, pode olhar para trás em nossas vidas e ver como a maioria das experiências difíceis deram lugar a algumas das maiores bênçãos. Aposto também que podemos ficar gratos por nossas preces não terem sido atendidas naquele momento. Encontre o diamante bruto. Tire um momento para apreciar a beleza da paisagem enbranquecida do inverno. Esteja disposto a ver que a semente não pode crescer a não ser no frio e no escuro solo da Terra. Valorize-se a fim de enxergar que o que está acontecendo agora em sua vida é para o seu próprio bem. Qualquer obstáculo que você esteja enfrentando é parte do processo para que o bem encontre o caminho até você. Ame o Criador para que você possa confiar no processo das estações e nos ciclos da vida, pois depois da noite, vem o dia, assim como depois do inverno vem a primavera. E lembre-se que o que lhe ajudará a manter a força nos seus momentos difíceis é ajudar os outros a passarem pelos deles. Esteja disponível para um amigo quando ele precisar de apoio. Ligue para eles para saber como estão. Dê-lhes um abraço. Faça com que saibam que você está lá para eles. Seja a melhor esposa, irmã, mãe, amiga, pai, irmão que você pode ser. Eu sei que vocês podem fazer isto. Sabendo que não estamos sozinhos é, às vezes, tudo o que precisamos para atravessar o inverno, até que as lindas flores floresçam mais uma vez.
Cuidem-se.
Recebam todo o amor que tenho por vocês,

segunda-feira, 27 de novembro de 2017

O Poder do Amor by Karen Berg

De acordo com o Talmude, cada folha de erva tem o seu próprio anjo a protegê-la, sussurrando “cresce, cresce”. Também é assim connosco. Este é o nosso ensinamento desta semana.

À medida que as noites se tornam mais longas e escuras, somos compelidos – mais do que em qualquer outra altura do ano -  a buscar dentro de nós reflexão, meditação e crescimento espiritual. Frequentemente, é quando as coisas estão mais difíceis e escuras que somos capazes de realizar verdadeiras mudanças e tornarmo-nos pessoas diferentes do que éramos.
   
A meditação e a prece têm sido usadas durante milhares de anos pelos nossos sábios, patriarcas e matriarcas como forma de aceder a uma fonte de energia mais elevada. Tal como a chama da vela, que flui e procura ascender, quando meditamos ou nos envolvemos numa oração acedemos aos mundos superiores, onde um reservatório de energia espiritual aguarda a nossa assistência. O nosso patriarca Jacob sabia isto. Na parasha desta semana, Vayishlach, Jacob estava a enfrentar a sua própria batalha. O seu irmão Esaú tinha planeado iniciar uma guerra contra ele. Mas na noite anterior à batalha, Jacob virou-se para dentro, em vez de para fora, para resolver os seus problemas. Meditou e observou qual tinha sido o seu papel na questão. Jacob não receava olhar para a sua própria negatividade. Onde é que lhe faltava amor? Dignidade humana? Amor ao próximo? Onde estavam os seus medos? Que parte de si ainda não conhecia o Criador? Quando terminou, Jacob estava mudado. Esaú já não detinha poder e influência sobre ele, nem representava qualquer perigo sobre o irmão. Porque Esau era e é apenas um reflexo dos medos interiores, ego e limitações que todos possuímos.
Gary Zukav escreve em O Lugar da Alma que o que nos torna mais evoluídos que outros seres é a compaixão. O verdadeiro crescimento não se refere ao lado externo, mas ao trabalho interno. É quando aprendemos que é do nosso melhor interesse amar mais e odiar menos. Esaú queria matar o irmão, mas não sabia como fazê-lo. Ele sentia amor por Jacob apesar de tudo . A mudança ocorreu quando Esaú sentiu a Luz que emanava através de Jacob para o mundo físico. Abraçou Jacob e amou-o, amou-o verdadeiramente. O seu ódio tinha-se transformado em amor. Este é o poder do amor.

Por vezes estamos relutantes em trabalhar sobre nós mesmos, mas o universo tem, de certeza, outro plano para nós!  Podemos dar connosco a ser empurrados a fim de confrontar os nossos medos, quer gostemos ou não. Como costumo dizer, não podemos esperar que os nossos músculos aumentem se não formos ao ginásio e não os trabalharmos.

Esta semana, atenção à chamada. Arranjem tempo para se sentarem sossegados, sem distrações, e ouçam os vossos pensamentos. Ouçam o bater do vosso coração. Respirem. Apercebam-se das respostas que conseguem ouvir quando o mundo não é tão ruidoso. Acendam uma vela, e enquanto o fazem foquem-se em acender uma vela dentro de vós. Tenham a certeza que podem esperar ver grandes maravilhas na vossa vida. “Cresce, cresce”. Eu sei que conseguimos. Eu sei que, com o poder do amor, cada um de nós pode acender no interior de si a sua vela, e todos juntos podemos iluminar o mundo. Deus vos abençoe, e todo o meu amor.
Desejos de uma grande semana de luz e transformação.
Karen

quinta-feira, 23 de novembro de 2017

Seguir Em Frente | por Karen Berg

“Devemos estar dispostos a nos livrar da vida que planejamos para termos a vida que está esperando por nós.” ~ Joseph Campbell
Um bebê normal precisa de 1.000 horas de prática antes de poder andar. Alguns aprendem a correr antes. Outros amam engatinhar. Outros gostam de ir direto aos seus primeiros passos. Mas o que é igual para todos é a prática e as muitas,  muitas vezes, cair apenas para se levantar e tentar de novo. Eu menciono isto porque a energia desta semana nos ajuda a sair de nossa zona de conforto e escolher o próximo nível. E toda vez que fazemos isto, estamos sujeitos a enfrentar desafios. Assim como o bebê batalha antes de andar, nós também passamos por testes que nos levam a ser quem devemos ser.
A porção desta semana, Vayetze, quer dizer, “e ele partiu.” Há tanta coisa que se desdobra nesta história que provavelmente daria um script para 2 ou 3 fantásticos longa-metragens. Nós vemos Jacó deixando a casa de seu pai em Beersheba para encontrar uma esposa, o famoso sonho da escada para o céu, o encontro dele com sua alma gêmea Raquel no poço, seu trabalho para Labão, seu(s) casamento(s), o nascimento dos líderes das 12 tribos… E muito mais. Mas o que eu queria dizer aqui é que a coisa toda se inicia com: “E ele partiu.”
Em outras palavras, para tudo ocorrer, para que estes poderosos desdobramentos de energia espiritual aconteçam, teve que existir esta decisão inicial da parte de Jacó em abandonar o que ele conhecia. Tudo começou com ele saindo do conforto da casa de seu pai e com sua certeza e a conexão com Deus como sua salvação, Jacó aventurou-se ao desconhecido.
Para cada um de nós, há muitas bençãos esperando para serem reveladas, mas existe um pré-requisito: que tomemos a decisão de seguir em frente. Isso nem sempre significa um movimento físico, embora possa ser. Mais frequentemente, é a decisão de abandonar comportamentos que não nos servem mais, sistemas de crença que estão nos limitando, ou encontrar uma maneira de descarregar a bagagem que está conosco, às vezes por muitos anos. A porção desta semana nos ajuda a encontrar esse ponto de crescimento dentro de nós, através do qual podemos evoluir para uma nova maneira de ser.
Todos sabem que não é simplesmente “puf” e nos tornamos a pessoa que queremos ser em um segundo! Isto talvez ocorra em desenhos animados, mas a experiência humana revela que as pessoas que realmente entraram dentro de si mesmas e fizeram grandes diferenças para a melhoria de todos, passaram por testes de fogo. Chegar a um lugar onde incorporamos uma nova maneira de ser, não é fácil. Cada um de nós tem a sua própria escada espiritual para subir, que é única para o propósito de nossa alma. Mas, como o bebê, podemos triunfar a partir da disposição de passar pelo processo, sabendo que o alcance de cada próximo degrau nos permite revelar mais de quem somos.
Crianças são incríveis. Tudo as fascina, elas absorvem novas experiências e deliciam-se na alegria de aprender mais e mais. Esta é uma perspectiva que podemos assumir enquanto seguimos em frente. Veja como você pode abraçar o processo de sair de sua zona de conforto. Existem lugares de indecisão e dúvida? Sim. Nenhum de nós é perfeito. Existirão encruzilhadas, desafios e lugares de confusão? Sim. Mas com a Luz do Criador, você é capaz de superar e nesta semana você tem uma injeção de energia para ajudar na sua caminhada.

→ clique aqui para ler outros artigos de Karen Berg

Chegar A Um Novo Nível De Certeza | Por Michael Berg

O início da porção Vayetze diz, Vayetze Yaakov miBe'er Sheva vayelech Charana, "Jacó deixa Be'er Sheva e vai para a cidade de Haran." E o Midrash nos diz que esta porção está revelando o segredo da certeza para nós através de Jacó.
Ravi Pinchas começa a discussão citando Proverbios: "Se você dormir, não terá medo, nem preocupações. Então você irá com certeza". Esta citação está se referindo a Jacó. Quando lê-se que Jacó saiu, significa que ele foi sem qualquer medo ou dúvida; assim, quando lê-se que Jacó dormiu, isso significa que quando ele deixou Be'er Sheva, ele foi com total certeza.
No entanto, a próxima seção do Midrash parece contradizer isso. Está escrito que depois que Jacó deixou Be'er Sheva e está caminhando para Haran, ele fica preocupado e se pergunta se ele vai perder a sua certeza na Luz do Criador. Não ouvimos com frequência as dúvidas dos justos. E esta seção no Midrash é única, a qual parece estar nos dizendo que, enquanto Jacó está indo para Haran, o medo e a dúvida vêm, tanto que ele ainda tem o pensamento - vou perder completamente a minha certeza Criador? Mas diz a si mesmo: "Não. Vou manter a minha certeza no Criador.” Quando lemos isso no Midrash, parece que Jacob teve um momento de dúvida, e então ele se fortalece. O que significa Jacó perder a certeza e ganhá-la de volta?
Para entender isso, há uma famosa história do Rav Yitzchak de Berditchev. A história diz que ele já estava muito doente, e os médicos lhe disseram que não havia como curá-lo naturalmente; disseram que a medicina não ajudaria; ele só poderia ser curado através de um milagre. Os médicos disseram a todos que não havia nada que pudessem fazer, e não permitiram que ninguém entrasse no quarto onde ele estava repousando, porque não deveriam incomodá-lo, deixando-o descansar.
De repente, ouviram um grande barulho no quarto onde Rav Levi Yitschak de Berditchev estava. Eles abriram a porta e viram que ele tinha caído da cama e estava no chão. Eles não entenderam o que tinha acontecido, mas eles o levantaram, o colocaram de volta na cama e puseram coisas ao redor da cama para terem certeza de que ele não cairia novamente. Algum tempo se passou e mesmo Rav Levi Yitzchak de Berditchev estando inconsciente, de repente o ouviram chamar pedindo água para lavar as mãos, dizendo que estava se sentindo melhor. E ele estava completamente curado.
Rav Levi Yitschak de Berditchev então lhes conta o que se passou enquanto estava deitado lá, ouvindo os médicos dizerem que não havia esperança para ele. Ele disse que se lembrou dos ensinamentos que recebeu do Magid de Mezeritch, que diziam que se alguém tem certeza real na Luz do Criador, então a misericórdia o circunda; que a natureza do mundo é tal que, se uma pessoa tem certeza completa e real, a Luz entra.
Então Rav Yitzchak disse: "Quando me lembrei do ensinamento do Magid de Mezeritch - que quando uma pessoa tem certeza na Luz do Criador, a misericórdia o circunda, não porque ela mereça, mas porque essa é a natureza do mundo - pensei, 'Deixe-me despertar a certeza, e então eu poderei trazer a cura de que eu preciso.' E assim eu fiz. Eu estava tão certo de que estava curado, e que a cura estava chegando, que me levantei para sair da cama, mas cai no chão, porque, na verdade, a cura ainda não tinha chegado. Quando eles me colocaram de volta na cama, comecei a pensar novamente sobre o ensinamento do Magid de Mezeritch, e disse a mim mesmo: ‘Não fui curado, porque minha certeza não é perfeita, não está aperfeiçoada.’ Então eu sentei lá e concentrei-me novamente no despertar de uma certeza maior e mais aperfeiçoada. E foi assim que fui curado".
O que estava acontecendo? Rav Levi Yitschak de Berditchev tinha certeza, mas teve que se motivar para ter uma certeza maior. Porque ele não duvidava do que o Magid de Mezeritch lhe tinha dito, que se uma pessoa tem certeza, a misericórdia o cercará, e ele será curado. Ele tentou com a certeza que tinha até aquele momento, e não funcionou. E, enquanto a maioria de nós naquele momento, ou desistiria ou ficaria desapontado, para ele estava claro o fato de que, simplesmente, sua certeza ainda não estava aperfeiçoada. Ele tinha que ficar deitado ali por uma hora, ou por quanto tempo demorasse, para fortalecer sua certeza. E então, porque ele fortaleceu sua certeza, a cura veio.
Este é o segredo do que o Midrash está nos dizendo. Não é que Jacó tivesse dúvida, mas sim que ele sabia que estava entrando em um lugar muito perigoso e qualquer certeza que ele tinha até então, não ia sustentá-lo no lugar para onde estava indo. Então ele parou e disse: "Ok, eu sei que a certeza que eu tinha até agora, que me sustentou enquanto eu estava cercado por meu pai e mãe em Be'er Sheva, não vai me sustentar quando eu entrar na escuridão de Haran. Eu tenho que tomar um tempo para afastar essa certeza e despertar uma certeza maior.” Jacó teve que passar por um processo de afastar o que ele pensava ter de certeza antes e chegar a um novo nível. Este é o presente que podemos receber neste Shabat.
A certeza que temos tido até agora não vai nos sustentar. Temos de tomar um tempo para realmente empurrarmos nossa consciência e implorarmos ao Criador para nos dar um novo nível de certeza. E então nós, assim como Jacó e Rav Levi Yitzchak de Berditchev fizeram, chegaremos a um novo nível de certeza.

→ clique aqui para ler outros artigos de Michael Berg

O Período Mais Maravilhoso do Ano | por Karen Berg

“É o período mais maravilhoso do ano…..”
Bem-vindo a um período que é verdadeiramente um dos mais positivos do ano. Não é por coincidência que músicas foram escritas celebrando o quão bom é estar sob a influência do corpo celestial de Júpiter e a constelação conhecida como Sagitário.
Júpiter governa este mês e nos concede seus muitos presentes. É dito que se Júpiter fosse maior, seria o próprio sol em outro sistema solar. Assim como uma vela clareia uma sala escura, assim também a imensa energia positiva de Júpiter clareia nossas vidas durante essas longas noites do solstício de inverno.
O mês de Sagitário é o terceiro mês a partir do começo do Calendário Kabalístico. Há um segredo aí. Enquanto o primeiro mês de Libra é considerado Coluna da Direita e o segundo mês de Escorpião é considerado Coluna da Esquerda, Sagitário brilha em sua posição na Coluna Central. Nós sabemos que no centro há equilíbrio. E onde há equilíbrio, há prosperidade, expansão, boa sorte e vida.
Em Hebraico, Sagitário é conhecido como Kislev. Kislev deriva da palavra kishet que significa arco ou arco-íris. Um arco-íris é primordialmente composto de três cores principais. O que tudo isso nos conta? Isso nos conta que o mês de Sagitário é o segredo do sistema das Três Colunas e do grande poder da Restrição. A terra brilha no espaço porque não absorve a luz, porém a empurra de volta - isto é chamado de Restrição. Nós também podemos brilhar neste mês sendo capazes de conectar mais com a Terceira Coluna, a qual nos dá a consciência de que, no final das contas, é muito mais gratificante compartilhar do que receber.
Se você já conheceu um Sagitariano, você sabe que não há um desafio que eles não encarem ou uma batalha que eles não estejam prontos para lutar e conquistar. Nós também recebemos essa qualidade nesse mês, mas que batalha nós escolhemos lutar? Qual é a nossa verdadeira causa?
Quando olhamos para dentro de nós mesmos, encontramos a oportunidade de batalhar contra nosso próprio egoísmo e apatia. E esta é uma batalha que podemos vencer este mês. É o calor de um sorriso que você não quer mostrar, mas mostra de qualquer maneira. É a palavra gentil que você normalmente não teria tempo de dizer, mas você faz o tempo para dizê-la. É o amigo que precisa de ajuda e a força que isso exige de deixar nosso próprio mundo e viajar ao mundo do outro para dar assistência a alguém que precisa. Essa mudança dentro de nós cria mudanças externas, e essas mudanças externas  são chamadas de milagre. No final do mês, nos aguardam as grandes luzes da abertura cósmica chamada Chanuká. Situada no escuro do inverno, Chanuká é um período onde somos convidados a acender velas e nos alegrar com nelas - e nada mais. O acesso aos milagres durante este mês é maior que em qualquer outro período do ano por que somos capazes de nos conectar com a luz que os cria em primeiro lugar. Nossa única tarefa é abrir nossos corações e nos amarmos uns aos outros mais que nunca.
Este mês, podemos nos tornar estrelas no céu e velas na noite. Podemos oferecer muita luz aos outros, a nós mesmos e, por consequência, ao mundo. Para quando acendermos a chanukiá, nós a direcionarmos para a abertura do lar para fazer exatamente isso - enviar luz para fora e nos regozijarmos com tudo que é bom. Com esta ação, mandamos embora qualquer problema ou batalha que esteja diante de nós.
Sagitarianos são pessoas que adoram viajar pelo mundo e que deixam para se estabelecer e encontrar o amor mais tarde na vida, mas se transformarmos essa energia ligeiramente, podemos viajar pelos nossos mundos internos ao invés de viajar pelo mundo externo. Nós podemos amar agora ao invés de mais tarde. Podemos encontrar dentro de nós o poder de criar o mundo que apenas sonhamos ser possível. Encontramos internamente um universo maior que o universo externo. Dentro de nós estão todas as respostas pelas quais estamos buscando. Internamente, encontramos nossa habilidade de amar mais que nunca.
Desejo a vocês toda a luz que este mês pode oferecer, assim como todas as bênçãos e milagres que o Criador tem reservado para vocês. É realmente o  período mais maravilhoso do ano.
→ clique aqui para ler outros artigos de Karen Berg

Guia e meditação para o mês de Sagitário / Kislev

O signo de Sagitário corresponde ao mês hebraico de Kislev. É a Coluna Central dos signos de fogo, regido por Júpiter ("Tzedek" em hebraico) e pelas letras hebraicas Samech e Guimel. A letra Samech criou o signo de Sagitário, e vem da expressão Somech noflim (suportar os caídos). No Zohar, o artigo chamado "The Letters of Rav Hamnuna Saba” (“As Cartas do Rav Hamnuna Saba”) diz que cada letra hebraica se apresentou perante o Criador para pedir que o mundo fosse criado começando por ela. Quando a letra Samech chegou diante do Criador, Ele lhe disse para voltar ao seu lugar, que é depois da letra Nun, e suportá-la, impedindo que caísse. É assim que obtemos a palavra nes (milagre em hebraico). A letra Nun criou o signo de Escorpião, em que o Dilúvio aconteceu, e após o Dilúvio, Deus colocou o arco-íris no céu, como uma promessa de que jamais aconteceria um novo dilúvio.
Sagitário em hebraico é Keshet ou arco-íris. Keshet é representado pelo centauro, o ser mitológico meio-homem, meio-cavalo, que caça com um arco e flecha. A figura representa a luta interna do coração entre o bem e o mal.
A letra Guimel criou Júpiter, que controla expansão. Júpiter representa o desejo de aprender, saber e os campos da ciência, biologia, educação, artes e música. Os sagitarianos nascem otimistas; para eles, tudo está sempre bem e sempre organizado da melhor forma possível. Eles acham que conseguem resolver todos os problemas e farão tudo o que lhes seja requerido.
Os sagitarianos tendem ao excesso de otimismo, exagero, zombaria, jogatina e frivolidade. Eles são naturais filósofos, professores, amantes, comunicadores e amigos. Gostam de viajar, amam sua liberdade e espaço e são interessados em explorar o mundo, bem como em estudar comportamento humano, cultura e religião. Eles compartilham seus conhecimentos com que quer que os procure. Amam a vida e podem ser bem “mauzinhos” quando crianças.
Por Sagitário ser a Coluna Central (elemento ar) dos signos de fogo, ele possui uma influência adicional de ar. O ar alimenta o fogo e faz com que ele cresça e se expanda. Por isso, os sagitarianos podem ser um canal para qualquer trabalho de comunicação que combine conhecimento e humanidade.
Os sagitarianos são pessoas aventureiras, que dão excelentes motoristas e pilotos (até mesmo de carros de corrida!). Eles adoram esportes e desafiam seu destino, assumindo riscos desnecessários. Tudo o que fazem é em larga escala, com a ajuda de Júpiter, que expande a mente do sagitariano nos negócios, na vida social e nas iniciativas românticas.
Os dias mais importantes em Sagitário são os dias de Chanuká, que começa no dia 24 de Kislev e termina em 2 de Tevet. Acendemos as velas de Chanuká para nos conectarmos com o milagre ocorrido na época dos Hasmoneus (também conhecidos como Macabeus), quando o equivalente a um dia de óleo queimou durante oito dias, no Templo Sagrado em Jerusalém. Esse exemplo incrível do poder da “mente sobre a matéria” aconteceu por causa das duas letras que controlam esse mês: Guimel, cuja essência é Gomel Dalim (recompensar os pobres) e a letra Samech, que criou o mês de Kislev. Essas condições, juntamente com as ações metafísicas realizadas pelos Hasmoneus, propiciaram esse milagre ocorrido há dois mil anos. Ficamos sujeitos a estas mesmas condições a cada ano, no 24o. dia do mês de Sagitário. Essa energia é novamente revelada durante oito dias e nos dá a oportunidade de criar incríveis milagres em nossas vidas.
GUIA PARA O MÊS DE SAGITÁRIO
Qualidades do sagitariano: Natureza alegre, descontraído, aberto a aprender com as experiências, atrevido, gosta de desafios, intelectual, honesto, clemente, afortunado.
PRINCIPAL MOTIVAÇÃO: Autodesenvolvimento, ir além dos limites, ir ao encontro de novos desafios.
DESAFIOS (E COMO TRANSFORMÁ-LOS):
O desafio é mais importante do que o propósito do desafio
Pare e visualize o próximo passo além do desafio. Aprenda a avaliar se o desafio vale a pena.
Extremamente autocrítico e com sentimento de culpa quando não obtém sucesso.
Estamos destinados a cair de vez em quando para aprendermos valiosas lições. Quando seus resultados forem insuficientes, pergunte-se que ensinamento a Luz está tentando lhe transmitir
Pouco diplomático, direto, insensível aos outros.
Como você tratar os outros, assim a Luz o tratará
Falsa certeza, pensa que a Luz vai cuidar de tudo
Embora a Luz esteja sempre presente para guiá-lo, depende de você fazer o esforço. A Luz ajuda aqueles que se ajudam
Mudanças no amor, falta de compromisso
Quando você estiver pronto para mudar de cenário, pergunte-se se aquilo em direção a que você está indo é tão bom quanto o que você está deixando para trás.
Enxerga o panorama completo, mas não os detalhes
Desacelere. Desacelere. Desacelere.
como melhorar seu relacionamento com um sagitariano:
  • Não se magoe com sua franqueza. Ele não tem a intenção de magoar
  • Apele para a lógica e o senso de justiça dele
  • Ajude-o a se concentrar em todos os aspectos de uma situação e não apenas na emoção de estar envolvido
COMO O SAGITARIANO ALCANÇARÁ A PLENITUDE:
Entendendo que o desafio maior é ser sensível aos outros
MEDITAÇÕES PARA O MÊS DE SAGITÁRIO
Letras do mês
Todo mês é representado por um signo do zodíaco e um planeta, ambos criados a partir de uma letra hebraica. O Livro da Formação explica que ao meditarmos diariamente nas letras hebraicas específicas do mês, podemos plantar as sementes daquilo que gostaríamos de atrair para nossas vidas nesse mês.
Sefer Yetzirah (Livro da Formação), escrito por Abraão o Patriarca há cerca de 3.800 anos, afirma que as letras hebraicas são o DNA do universo. Elas são a representação física das forças de energia que criaram tudo, desde os planetas até as galáxias.
Imprima-os, cole-os em sua parede ou carregue-os consigo: faça o que for preciso para que elas sejam parte regular do seu dia. Para saber mais profundamente sobre o significado da astrologia kabalística e como ela pode transformar totalmente todas as facetas da sua vida, recomendamos a leitura do livro Astrologia Kabalística, que pode ser encontrado em nossa loja online
                                                                                         

sexta-feira, 17 de novembro de 2017

Transformar a Nossa Natureza | por Michael Berg

Nós não lemos a Torah simplesmente para ganharmos lições espirituais. Lemos a Torah para que possamos ganhar a assistência das muitas grandes almas, cujas histórias estamos estudando. Fazemos isso para que possamos nos conectar aos processos pelos quais estas grandes almas passaram, o que nos ajuda a passarmos pelos nossos próprios processos. Na porção desta semana podemos receber a ajuda da alma de Jacó, e até mesmo de Esaú, para passarmos pelo processo de transformarmos completamente a nossa natureza.
Isaac, filho de Abraão, teve dois filhos: Jacó e Esaú e sabemos que eles estavam no mesmo ventre. Na hora do nascimento, Jacó tentou segurar seu irmão Esaú, para que ele pudesse sair primeiro e ganhar o direito às bênçãos da primogenitura. No entanto, Esaú nasce primeiro, e como tal, Isaac deseja conceder-lhe as bênçãos.
Jacó passa por todo um processo de mentir e enganar seu pai para receber as bênçãos da primogenitura. Ele teve que lutar contra seu irmão, teve que lutar contra seu sogro, teve que fugir da casa de seu pai, teve que enfrentar desafio após desafio. Nos é dito que Jacó é uma alma justa e sabemos que ele era conectado com a Luz do Criador, então por que ele teve que travar batalhas constantemente... por que ele teve que superar constantemente tantas barreiras?
Curiosamente, os kabalistas ensinam que, se você olhasse para os dois irmãos e tivesse que avaliar pela fisionomia, qual era a alma mais elevada, você provavelmente escolheria Esaú. De fato, por todos os aspectos exteriores, os kabalistas ensinam que Esaú tinha uma mente mil vezes mais afiada do que a de seu irmão. Ainda assim, Jacó teve a revelação de que, para se conectar com a Luz do Criador e realizar aquilo que veio a este mundo para realizar, ele teria que lutar contra tudo o que ele era e ir contra a natureza com a qual nasceu. Jacó enfrentou desafio após desafio, porque sabia que quando lutamos contra a nossa natureza, quando nascemos de uma maneira e lutamos completamente contra esta maneira de ser para realizarmos a transformação, é aí que a Luz do Criador é revelada.
Esta é a verdadeira lição entre Jacó e Esaú. Embora Esaú estivesse disposto a fazer o trabalho espiritual, ele não estava disposto a lutar contra a sua natureza. Ele nem sequer pensou que era necessário. Não é que devamos ver Esaú como uma pessoa negativa, o fato é que Esaú pensou que, para crescer espiritualmente, bastava usar todos os poderes com os quais nasceu. Esaú honrou e respeitou seu pai, fez grandes coisas... mas só quando ele quis. Este não é o verdadeiro trabalho espiritual. O trabalho espiritual que fazemos, que está dentro da nossa natureza e que é confortável para nós, não é um verdadeiro trabalho espiritual, não revela muita Luz.
A realidade de quem Esaú era nunca foi mudada, porque o trabalho espiritual que ele realizava não ia contra todas as fibras de seu ser. Uma pessoa pode estar estudando, pode estar fazendo muitas ações de compartilhar, mas isto não significa que ela esteja cumprindo seu propósito. Muitos de nós nascemos com boas qualidades que, é claro, precisamos usar. É bom que façamos todas as outras coisas que estão dentro da nossa natureza, que sejam de compartilhar, que revelem alguma Luz. Não significa que devemos deixar de fazer essas coisas. Nós apenas temos que ter cuidado para não cometermos o erro de pensar que, simplesmente porque estamos fazendo ações positivas, isto significa que estamos realizando nosso propósito. Por exemplo, há pessoas que são naturalmente caridosas, outras cuja natureza é alcançar sabedoria e outras que nascem professores. No entanto, o fato de elas darem dinheiro, o fato de elas investirem seu tempo em alcançar sabedoria, o fato de elas investirem toda a sua energia ensinando outras pessoas, é claro, vai trazer uma certa quantidade de Luz, mas isso não significa que estejam realizando o que vieram a este mundo para realizar.
Esta compreensão certamente nos dá uma avaliação diferente de como precisamos olhar para a nossa vida espiritual. Nós percebemos, através desta porção, que a resposta não é o quanto você faz, ou mesmo o que você faz, mas o quanto você está lutando contra a sua natureza. Eu penso sobre isto para mim mesmo, e espero que todos vocês também o façam. Para avaliar onde você se encontra no processo de sua alma, no processo de revelar o propósito para o qual veio a este mundo, a pergunta tem que ser: você está transformando a natureza com a qual nasceu?
Aprendemos desta porção que viver uma boa vida espiritual não significa nada se fizermos tudo o que estiver dentro da nossa natureza. Este conceito pode realmente mudar a nossa vida, porque não mentiremos mais para nós mesmos. Isto nos dá um meio de avaliarmos onde realmente nos encontramos no processo da nossa alma. Ao perguntarmos a nós mesmos: “Qual é a minha natureza e quais ações estou fazendo que são completamente opostas a ela?”, vemos onde nosso trabalho está realmente focado.
Nesta porção, Jacó luta contra tudo o que ele é, e nesta semana, recebemos o incrível dom de conectarmos com ele e obtermos sua ajuda para travarmos nossas próprias batalhas. Fazendo isso, estaremos revelando mais e mais Luz, e cada vez mais próximos de realizarmos nosso verdadeiro propósito... e quando transformarmos nossa natureza, ilimitada Luz e bênçãos poderão fluir em nossas vidas.

Seus Desafios São Suas Bênçãos | por Karen Berg

O poder da bondade, da compaixão e do amor encontram por vezes os nossos corações na mais escura das noites. Apesar de ser difícil de aceitar quando estamos no turbilhão do desafio, a verdade é que sem desafio não há crescimento. Sem escuridão, não há Luz.

Peguemos por exemplo na porção de Toldot, na qual Rebeca, a mulher de Isaac, se vê grávida, miraculosamente grávida de gémeos, Jacó e Esaú. Mesmo no útero ela consegue sentir a energia contrastante dos gêmeos na forma das dores excruciantes da gravidez, e por isso ela questiona Deus para saber o que está acontecendo dentro dela.

E Deus diz-lhe: "No seu ventre você tem duas nações". Como veio a acontecer, Jacó tornou-se um homem do estudo e do espírito, e Esaú tornou-se exatamente no oposto (epítome do Desejo de receber para Si mesmo), em egoísmo e ego.

Podemos questionar, como o Rashi o fez, como é que estas duas almas tão elevadas, Isaac e Rebeca, puderam trazer a este mundo uma alma como a de Esaú? A resposta fica clara quando levamos em conta a ideia de que a Luz não vem da luz. A Luz vem da escuridão. O universo inteiro opera segundo a polaridade. Esaú era completamente negativo e por isso tinha o potencial para fazer a maior transformação.

Os kabalistas revelam que Esaú representa o Desejo de Receber Para si Mesmo que existe em todos nós, e recorda-nos o tremendo poder que nos foi injetado e que nos permite converter essa energia para o bem.

Por vezes podemos desejar não ter de passar por desafios e podemos achar que a vida é um passeio no parque. Mas o que é mais satisfatório é saber que, com ferramentas espirituais e vontade de olhar para dentro e participar do trabalho interno, podemos superar e revelar mais da nossa alma, no dia a dia. Deste modo, transformamos a escuridão que então nos rodeava numa vantagem, alterando a nossa dívida kármica. Um grande exemplo é a pessoa que tem que superar um vício, abuso, ou outra forma de trauma para poder ser um farol de esperança e cura para outras pessoas.  Os nossos desafios são as nossas oportunidades de ouro de abrir os nossos corações e de desfrutar a bênção de estarmos mais integrados na vida das pessoas à nossa volta.

Seja qual for a dificuldade que possamos estar atravessando, o desafio espiritual mantém-se o mesmo: reconhecer que a escuridão que estamos vivenciando é a nossa oportunidade de revelar a nossa beleza, a nossa força interior e Luz neste mundo.

Desejo a todos a energia e o poder de que necessitam para enfrentar seja qual for a prova que têm perante vocês neste momento, com graça e consciência. Ao fazê-lo, que possam provar a água doce do poço do caminho espiritual, sendo para sempre nutrido por ele.

segunda-feira, 18 de setembro de 2017

Sua Verdadeira Força Está No Momento Presente | por Karen Berg

É da natureza humana sentir-se amedrontado com o futuro ou se arrepender do passado, mas nunca se esqueça de que sua verdadeira força está no presente.
É sempre bom lembrar disso sempre que nos aproximamos de uma abertura cósmica, como Rosh Hashanah, o dia no qual nossas vidas serão colocadas diante do Criador. Em nossa preparação espiritual para tal evento, podemos nos encontrar ajustando nossa visão um pouco "além dos mares", por assim dizer.
Muitas vezes eu uso o exemplo de um indivíduo que trabalhou por 50 anos em uma profissão, que ele mesmo não gostava, apenas para que “um dia” ele pudesse se aposentar e finalmente aproveitar a vida. E quem disse que haverá este “um dia”? Eu acredito que a vida é muito mais gratificante quando reconhecemos os milagres que estão diante de nós em cada momento.
Claro, todos nós temos aspectos de nossa existência que preferíamos não ter que lidar, e podemos ter obrigações a cumprir que talvez gostaríamos de deixar de lado. Mesmo assim, há muito mais beleza e maravilhas ao nosso redor, que frequentemente são negligenciados. Com qual frequência acordamos pela manhã e nos damos conta das bênçãos que temos aqui e agora? Não é fabuloso que eu possa ver o sol nascer? Não é maravilhoso experienciar, em um dia, coisas que me fazem feliz, mesmo que sejam pequenas e simples?
Na porção de Nitzavim, está escrito: “...isto não está além de você, nem está longe de você. Isto não está no céu. Não está do outro lado do mar. E sim, está bem perto de você, em sua boca, em seu coração.”
Enquanto olhamos para Rosh Hashanah e para todas as oportunidades espirituais   dentro do mês de Tishrei (Libra)  –  o que é certamente uma coisa positiva e proativa a fazer  – meu conselho é que nunca percamos a consciência das oportunidades que estão diante de nós agora… afinal, elas não são tudo o que temos de qualquer forma?
Lembro-me de uma maravilhosa citação do Baal Shem Tov:
“ O mundo é novo para nós a cada manhã. Este é o presente de Deus, e cada pessoa deveria acreditar que renasce a cada dia.”

sexta-feira, 28 de julho de 2017

Espiritualidade em ação | por Karen Berg

Há muitos componentes na espiritualidade. Claro, há o estudo por meio do qual nós podemos esclarecer as muitas profundidades da magnificência do Criador. Também há a oração, um canal onde palavras e pensamentos podem nos conectar com a Luz sempre presente de Deus. Ambas peças são importantes, mas mesmo assim há um outro componente, um que eu sinto ser mais poderoso para alcançar um estilo de vida espiritual e todas as bênçãos e realizações que vem com isso. É  o que gosto de chamar de espiritualidade em ação. Pois não há nada que gere mais positividade no mundo do que abrir nossos corações para os outros ou oferecer uma ajuda a alguém que precise. Rezar para Deus é lindo e estudar Deus é o caminho da iluminação, mas ser como Deus é realmente Divino.
Na porção do Zohar que lemos esta semana, tem uma história sobre um garoto de seis anos de idade, chamado Yenuka que tinha o dom da visão espiritual. Quando dois visitantes entraram em sua casa (que a propósito, eram almas justas), ele foi capaz de “ver” que eles não haviam feito suas orações. Ele pode “ver” que eles não haviam criado alguns canais espirituais naquele dia. Não somente isto é um testamento para o fato de que crianças têm mais acesso ao reino não visível do que os adultos, mas à medida que a história avança, nós encontramos uma grande lição.
Depois que o menino fala aos dois indivíduos justos, eles ficam surpresos. Eles confirmam que sim, ele está correto: eles haviam deixado de fazer suas conexões. Mas então eles explicam a razão: Eles estavam ocupados ajudando um casal necessitado em seu casamento, que não tinham nem família nem amigos para apoiá-los. Eles perderam seu próprio “tempo” com o Criador, porque eles estavam agindo. Eles sabiam que esta ação de verdadeiro compartilhar, para qual não haveria reembolso ou retorno, era muito importante naquela manhã. Que excelente lembrete! É tão fácil cair na mesmice em nosso próprio trabalho espiritual e esquecer a razão pela qual atravessamos este caminho espiritual, em primeiro lugar. Por meio da Torá,somos abençoados com inequívocas instruções, mas nós nunca devemos esquecer as ideias de empatia, gentileza e dignidade humana; pois inevitavelmente são elas que mudam o mundo.
Este conceito me faz lembrar da ideia de que quando o Criador criou a Terra, Ele o fez com as Leis da Natureza. Mas ele também criou pontos específicos no tempo e espaço, onde haveria exceções a estas Leis, como quando o sol parou no céu para Josué. Assim também é para nós. Nós todos teremos momentos em que seremos chamados a ajudar alguém, sacrificando algo que é nosso. O ponto a se lembrar é que quando falamos de compartilhar, somos nós que realmente nos beneficiamos dessa troca. Na leitura da Torá desta semana (Devarim), Moisés repreende os Israelitas, não por raiva ou desdém, mas por amor. Ele estava ajudando-os a enxergar os lugares que necessitavam transformar. Ele sabia que eles precisavam ser capazes de caminhar com seus próprios pés. Ele sabia que eles precisavam tomar decisões - não por uma questão de parecer bem - mas para aumentar sua natureza espiritual, assim como os dois justos da história. Este é o presente que todos recebemos também. Esta é uma semana para demonstrar espiritualidade em ação. O nosso aspecto imortal está constantemente procurando compartilhar, cuidar, rezar pelos outros, dar e receber amor livremente. Estejamos sempre abertos para as oportunidades que aparecem.
Tenham uma semana abençoada,
Karen.

quarta-feira, 12 de julho de 2017

3 Semanas de Oportunidade | Ben HaMetzarim

Estamos prestes a entrar num período conhecido como Ben HaMetzarim ou As 3 Semanas Negativas, que começa em 11 de julho de 2017 e vai até Tisha b'Av (neste ano, 1 de agosto de 2017). Tisha b'Av, que significa o 9º dia do mês de Leão, marca o aniversário de várias calamidades em toda a história bíblica e moderna, principalmente a destruição dos dois Templos Sagrados.
Esse é um momento em que nossas naturezas egoístas tendem a despertar. É mais difícil do que o habitual não reagirmos negativamente. Alguns de nós enfrentarão desafios; nossa certeza será testada e muitos descobrirão mais negatividade dentro de nós mesmos do que jamais gostaríamos de ver.
Nossa reação inicial a esta notícia pode ser de que sejam três boas semanas para ficarmos em casa e para não sairmos de casa! Por que sair pelo mundo e enfrentar esses desafios extras quando seria mais seguro simplesmente se esconder e se proteger?
Os kabalistas ensinam que durante essas três semana há mais Luz disponível do que o normal e que, durante os momentos mais difíceis da vida, recebemos raras oportunidades para transformar e crescer espiritualmente. Este é um momento em que podemos nos purificar da negatividade e até da doença. O Rav Berg muitas vezes se referia a Ben HaMetzarim não como um tempo de negatividade, mas de fazer milagres! Poucos outros momentos do nosso ano podem nos dar acesso a uma abundância de bênçãos. Ao se concentrar na transformação durante essas três semanas, quando é mais difícil fazê-lo, podemos remover a negatividade do nosso passado, presente e futuro.
Quando vistas a partir deste ângulo, essas 3 semanas no tempo não são nada assustadoras. O medo é o que nos mantém presos aos nossos padrões e nos impede de revelar grandes bênçãos. Estar abertos ao desafio de Ben HaMetzarim pode nos elevar ao nosso próximo nível, ao nos mostrar as coisas que mais precisamos mudar.
Podem ser 21 dias poderosos se escolhermos nos conectar à consciência de amor incondicional, compartilhar e restrição. Se escolhermos aproveitar a oportunidade ao confrontar nossas qualidades negativas, então podemos nos aproximar da melhor versão de nós mesmos e portanto criar uma vida melhor para nós mesmos e um mundo melhor para todos nós.
→ Clique aqui para baixar as meditações kabalísticas para essas Três Semanas

Previsão astrológica de 9 a 15 de julho | por Yael Yardeni

Olá a todos!
Espero que o novo mês de Câncer esteja nos inspirando a trabalhar e nos livrarmos de todas as nossas (não tão boas) emoções indesejadas.
Esta é uma semana muito importante e muito querida para os kabalistas, especialmente para o nosso querido professor, o Rav.
Vamos dar uma olhada no mapa desta semana:
O que imediatamente chama nossa atenção é uma QUADRATURA EM T entre Júpiter, Lua e Marte. Esta configuração específica requer um estudo mais de perto, pois envolve Marte, que é a energia, a gasolina, por assim dizer, do mapa.
Plutão em movimento retrógrado, está em conjunção com a Lua, portanto, é necessário mais profundidade em tudo o que fizermos, e deve-se ter atenção para ouvir melhor as mensagens internas, para aumentar nossa consciência. Em suma, Plutão escava o fundo da nossa psique para encontrar alguns demônios, mas também alguns diamantes.
Plutão está em oposição ao Sol para facilitar uma transformação, tão necessária para todo o nosso ser. Ufa! Nós sabíamos que Câncer lunar seria intenso!
Sol e Marte também estão em conjunção em Câncer. Resultado, há muita ação no universo esta semana!
Uma mensagem muito importante dos astros diz respeito a Plutão.
Em muitos aspectos, Plutão é um remédio poderoso contra todos os comportamentos e situações em nossas vidas que não são mais necessárias. É como se tivéssemos sido submetidos a um processo de parto, de abrir mão, o que permitirá que surja um novo "eu".
As palavras-chave para Plutão são: escavação profunda, destruição do antigo, regeneração e cura, todas acontecendo ao mesmo tempo. Falo de uma pílula amarga extra forte.
Além disso, como mencionamos antes, Plutão está agora em oposição ao Sol. O Sol, no sistema kabalístico, representa o nosso ego, o nosso comportamento em geral e 65% do nosso Tikkun (ou correção). Realmente, é aqui que a maior parte do nosso trabalho espiritual precisa ser feito.
A quadratura em T desempenha um papel essencial como o provocador, o portador de um despertar cósmico para ambos, o indivíduo e o coletivo, e está levantando uma questão essencial:
Onde está investida a nossa energia (Marte)? Ela está investida para a expansão do crescimento (Júpiter) ou está mantida internamente e implodindo?
Marte sempre levanta questões sobre saúde porque questiona nossos níveis de energia.
Como Marte está dando energia ao Sol (ambos estão em conjunção), esta semana é a nossa maior oportunidade de curar nossas vidas através de profundas mudanças de consciência.
A Kabbalah explica que não existe doença no corpo que não exista primeiro na alma.
Toda essa semana deve ser dedicada à CURA da nossa consciência, das nossas emoções, das nossas almas.
Como lidar com tudo isso?
Uma vez que entramos no mês lunar de Câncer, certos comportamentos estão sendo recorrentes. O Rav, nosso amado professor, costumava dizer: "A consciência é tudo".
Devemos levar nossa evolução espiritual um passo de cada vez, exceto esta semana, que é um passo muito maior do que o habitual, já que o cosmos está nos empurrando para frente.
As meditações diárias são recomendadas por toda essa semana, mesmo 10 minutos por vez, e devem incluir uma liberação energética do comportamento, imaginando, por exemplo, que uma nuvem escura está nos deixando e nosso corpo inteiro está sendo preenchido com Luz.
Deve-se ter especial cuidado em injetar certeza e um brilho de Luz nas partes do nosso corpo que estão fracas ou doloridas. Conforme estamos acostumados na Kabbalah, devemos também incluir na nossa visualização um ente querido que necessite de cura, para que a energia criada por nós tenha continuidade.
Tenham uma fantástica semana de cura!
Com amor,
Yael

Removendo o veneno do lado negativo | por Michael Berg

No final da porção de Pinchas, Moisés sabe que vai deixar este mundo, e pede ao Criador que nomeie um líder para substituí-lo. O Sh'la diz que Moisés não estava pedindo um líder apenas para a sua época. Ele também pediu para ser revelado quem seria o líder no momento do Fim da Correção. O Criador responde a Moisés e revela Josué, que será o líder que o substituirá. Mas o Criador também mostra o líder para o Fim da Correção e, portanto, ao fazê-lo, revela a Luz do Fim da Correção.
O Criador também mostra a Moisés todas as gerações que viverão a partir daquele momento até o nosso tempo, até o tempo do Fim da Correção. O Criador mostra a ele que toda geração a partir de então será uma geração menor do que a anterior; toda geração a partir de então terá menos consciência e será mais desconectada. Poderia-se dizer que isso parece ser uma coisa negativa, mas de alguma forma essa compreensão deveria inspirar Moisés. E o Sh'la compartilha o porquê: o fato de que cada geração estará mais desconectada da Luz do Criador, que haverá mais véus entre cada geração, é a razão pela qual o Mashiach virá.
A maioria de nós, quando pensa no processo da humanidade, compreende que há uma certa quantidade de Luz que precisa ser revelada, e quando essa Luz for revelada, será o Fim da Correção. Esse é o nosso trabalho; todos os dias nos esforçamos para revelar mais Luz, e isso é importante, e é verdade. Mas há outro aspecto; um segredo fundamental que eu acho que a maioria de nós não conhece nem aprecia. Esse aspecto é baseado em um verso, em Jó, que diz ketz sam lachoshech, "O Criador pôs fim à escuridão".
Os kabalistas explicam que no Jardim do Éden, quando Adão e Eva caíram, a serpente injetou seu veneno neles, e através deles, na humanidade. E eles nos dizem que esse veneno, essa escuridão, é finita. Há uma certa escuridão que a serpente colocou na humanidade, e quando esse veneno for removido, será o Fim da Correção - como se uma pessoa pudesse tirar o veneno depois de ser mordida por uma cobra, e assim ela poderá viver.
Por uma questão de compreensão, vamos supor que existem mil unidades de veneno que a serpente injetou no sistema. E durante os últimos cinco mil mais anos, em toda a história da humanidade, toda dor que um indivíduo sentiu removeu uma parte desse veneno e escuridão que foi injetada na humanidade. Quando essa quantidade de veneno for removida do sistema humano, quando essa quantidade for zero, ocorrerá toda a Revelação. E, como ensina Rav Ashlag: a Luz do Criador existe em todos os lugares, mas há véus sobre a Luz. De onde vêm esses véus? Os véus vêm do veneno da serpente. Assim, uma vez que o veneno da cobra é removido do sistema humano, toda Luz é revelada. Existem duas maneiras de remover esse veneno. Há o caminho proativo, a maneira de transformar a escuridão em Luz, e há a dor.
Então, o que fazemos com esse entendimento? Rav Berg costumava dizer, por exemplo, que se você vai ao dentista e está sentindo dor, você deveria pedir por mais dor. Eu não acho que entendíamos a profundidade ou o segredo deste ensinamento antes, mas espero que o entendamos agora. Porque agora, quando você estiver passando por algo desconfortável, você entenderá que parte da bênção do desconforto e da dor é que você está removendo a escuridão desse acúmulo de veneno, não apenas para si mesmo, mas para toda a humanidade. O Fim da Correção não ocorrerá quando uma certa quantidade de Luz for revelada, mas sim quando o veneno da serpente, ou os véus, como são chamados, forem completamente removidos.
Moisés queria saber como o Fim da Correção aconteceria, e o Criador respondeu que a geração de Moisés estava mais conectada ao Criador do que à próxima geração. O que isso significa? A serpente terá que enviar mais véus e escuridão para este mundo, e ela nem sequer sabe o que está fazendo, mas está se matando, porque cada vez que traz a escuridão a este mundo, ela diminui suas forças - porque a serpente só tem uma certa quantidade de vida. Uma vez feito isso, ela estará exaurida. Assim, para cada geração que fica mais desconectada da Luz do Criador, a serpente, a negatividade, coloca véus maiores neste mundo. E toda experiência desses véus para essa geração tira um pouco do poder, um pouco do veneno, da serpente.
Isso é o que o Criador diz a Moisés neste Shabat. Sim, é verdade que cada geração será menor, mas é uma boa notícia, porque cada geração terá mais véus, e o lado negativo, a cobra, continuará colocando mais e mais véus até chegar a um ponto em que ela estará acabada, e não terá mais veneno nem mais trevas - ketz sam lachoshech; há uma quantidade finita de escuridão que pode se manifestar neste mundo e, portanto, para nós.
Agora, espero que possamos chegar a uma compreensão mais profunda do que o Rav queria dizer quando pedia por mais dor. Quando você tem essa consciência, e pede por mais dor, você sabe que com isso, está matando a força negativa mais rapidamente. Então, a questão passa a ser: se você está sentindo dor, o que você está fazendo com isso? Penso que quando a maioria de nós sente dor, dizemos: "Tire isso". Mas quando essa é a sua consciência, você não está ajudando a si mesmo ou ao mundo.
Com esse entendimento, podemos apreciar os dois lados do processo. O trabalho espiritual que fazemos, que revela a Luz e transforma a escuridão em Luz é parte disso, mas também precisamos apreciar e ter consciência sobre as coisas incômodas e dolorosas; e como o Rav disse: temos que pedir por mais. Quando você faz isso, aprecia a dor que está sentindo e entende que através disso, você está sugando a força vital do lado negativo. Esse é, como eu disse, um segredo muito importante que nos é revelado neste Shabat.

Certeza, paz e cura espiritual | por Karen Berg

A porção desta semana é bem famosa, provavelmente mais no Kabbalah Centre do que em qualquer outro lugar do mundo, por ser a porção relacionada diretamente com cura espiritual. Também era a porção preferida do Rav Berg. “Pinchas!” - ele geralmente exclamava do palco. “O que encontrei em Pinchas que não encontrei em nenhum outro lugar?”
Cura! Vá e ouça Pinchas! Façam fila no quarteirão! Façam qualquer coisa que tiverem que fazer para ouvir a leitura de Pinchas.” De fato, cabe a nós todos fazer uso da energia de cura que permeia o universo esta semana. Por que Pinchas é considerada a porção de cura e como podemos acessar esta totalidade em nossas vidas hoje?
Bem, antes de tudo, está escrito no Zohar que Pinchas recebeu o dom do shalom ou paz. Paz é estado de se  estar internamente satisfeito e de combinar a cabeça com o coração. Hoje sabemos que o que Zohar nos disse milhares de anos atrás é verdadeiro, que na verdade a maioria das doenças não vem da cabeça, mas do coração, da emoção por não se estar preenchido.
Sabe, corremos ao Centro no Shabbat Pinchas para cura, mas na verdade, o maior presente que recebemos desta porção, é a habilidade de encontrar a a certeza dentro de nós. Pois é através da certeza que encontraremos a paz. Certeza é o estado de se saber que independente do que esteja acontecendo em minha vida agora - e quem quer que esteja em minha vida neste momento - é perfeito para meu desenvolvimento espiritual. O que poderia ser mais acalentador do que o total conhecimento disso?
A maioria de nós trabalha com a cabeça, onde tem muito barulho. Esta semana, faça o se conectar com seu coração uma prioridade. É onde existe a certeza. É onde você encontrará paz.
Pinchas é um poderoso canal para cura porque ele teve essa certeza de espírito e paz em seu coração. Não importando com o que as pessoas pensavam sobre ele, não importando com o quanto ele foi criticado, esta alma justa sabia o que era certo e elevou-se para isso.
Como o Rav diz, “ Pinchas se levantou  contra tudo o que era errado, mesmo que implicasse sua própria vida. Ele revelou tremenda Luz no mundo. A leitura desta porção pode beneficiar toda a humanidade. Podemos não ver seu benefício imediatamente, mas com o tempo, ele virá.”
Desejo a vocês uma semana abençoada,
Karen

segunda-feira, 3 de julho de 2017

A Verdade Boa Acerca das Más Situações

A Verdade Boa Acerca das Más Situações
Sabem, não obstante todas as complicações inerentes à vida humana, a mente, em si, permanece relativamente simples ao longo de todos estes anos. Nós compartimentamos o que nos acontece em uma de duas categorias: bom ou mau. Se conseguimos o emprego ou o cliente, é uma coisa boa! Se pedimos algo a alguém e a pessoa diz sim.., hurra! Também é bom. No entanto, se perdemos o emprego, ou se somos rejeitados, isso é algo mau.  Ou não?
Conseguem pensar numa situação que no início parecesse terrível , mas acaba por ser a melhor coisa que alguma vez poderia ter acontecido?
Por exemplo, uma vez tive uma amiga que ficou inconsolável quando o namorado rompeu com ela. Quer dizer, é natural ficarmos perturbados, mas esta mulher estava destroçada. Na sua cabeça, este era o homem com quem ela deveria casar, e por anos e anos ficou presa a ele. Só quando ele finalmente casou com outra pessoa é que ela foi capaz de abandonar a ideia de que eles tinham sido feitos um para o outro.
Uma coisa engraçada aconteceu depois. Apenas uma semana depois de ele ter casado -  apenas sete dias após ela ter finalmente abandonado a ideia - ela conheceu o amor da vida dela. E casaram em um ano.
Eu estava a conversar com ela sobre isto no outro dia e ela riu e disse: "Karen, eu não fazia ideia de que algo melhor estava a caminho".
Eu quis dizer-lhe, "A sério, não fazias ideia? Porque eu e dúzias de amigos teus dissemos-te exatamente isso naquele mesmo dia".... Mas esse não é o ponto.
O ponto de toda esta história é este: ok, ela está feliz agora, mas e todos aqueles anos que ela passou sentindo-se miserável por causa de uma pessoa que nunca de verdade lhe estava destinada? Claro, agora ela pode olhar para trás e dizer que aquilo que ela pensava ser o pior acabou por ser o melhor que lhe podia ter acontecido.
Mas querem saber? Tudo na vida é assim. Mesmo as circunstâncias que vemos como negativas, na verdade é suposto levarem-nos para um melhor estado de ser, para um melhor modo de vida.
Não precisamos de dizer mais " se eu soubesse o que sei hoje" se soubermos que a mão do Criador está em tudo. Para encontrar o melhor emprego, a alma gémea, os amigos certos, e tudo o que de melhor a vida tem para nos oferecer, às vezes tudo o que precisamos é de abrir mão da ideia que temos sobre como as coisas deveriam ser.
Isto lembra-me muito a porção bíblica desta semana, Balak, e de como ele tentou prejudicar  os israelitas , só porque eles eram abençoados.
Bom, deixem-me contar-vos um segredo: aquele que vê tudo como uma benção é verdadeiramente abençoado. Quando vês a Luz em tudo - sobretudo quando é mais difícil - a escuridão não pode tocar-te.
Esta semana,aquando as coisas não acontecerem como tinhas planeado, esquece! Confia que o Criador está a guiar-te para um destino melhor. E se houver coisas a que tens vindo a agarrar-te - experiências de vida, que tens visto como estritamente "negativas" - existe no universo esta semana uma energia que te pode ajudar a começar a ver a Luz que existe aí também. Se mesmo na escuridão conseguirmos confiar que a Luz está lá, a seu tempo seguramente veremos que assim é.
Desejando uma abençoada semana,
Karen