sexta-feira, 17 de novembro de 2017

Transformar a Nossa Natureza | por Michael Berg

Nós não lemos a Torah simplesmente para ganharmos lições espirituais. Lemos a Torah para que possamos ganhar a assistência das muitas grandes almas, cujas histórias estamos estudando. Fazemos isso para que possamos nos conectar aos processos pelos quais estas grandes almas passaram, o que nos ajuda a passarmos pelos nossos próprios processos. Na porção desta semana podemos receber a ajuda da alma de Jacó, e até mesmo de Esaú, para passarmos pelo processo de transformarmos completamente a nossa natureza.
Isaac, filho de Abraão, teve dois filhos: Jacó e Esaú e sabemos que eles estavam no mesmo ventre. Na hora do nascimento, Jacó tentou segurar seu irmão Esaú, para que ele pudesse sair primeiro e ganhar o direito às bênçãos da primogenitura. No entanto, Esaú nasce primeiro, e como tal, Isaac deseja conceder-lhe as bênçãos.
Jacó passa por todo um processo de mentir e enganar seu pai para receber as bênçãos da primogenitura. Ele teve que lutar contra seu irmão, teve que lutar contra seu sogro, teve que fugir da casa de seu pai, teve que enfrentar desafio após desafio. Nos é dito que Jacó é uma alma justa e sabemos que ele era conectado com a Luz do Criador, então por que ele teve que travar batalhas constantemente... por que ele teve que superar constantemente tantas barreiras?
Curiosamente, os kabalistas ensinam que, se você olhasse para os dois irmãos e tivesse que avaliar pela fisionomia, qual era a alma mais elevada, você provavelmente escolheria Esaú. De fato, por todos os aspectos exteriores, os kabalistas ensinam que Esaú tinha uma mente mil vezes mais afiada do que a de seu irmão. Ainda assim, Jacó teve a revelação de que, para se conectar com a Luz do Criador e realizar aquilo que veio a este mundo para realizar, ele teria que lutar contra tudo o que ele era e ir contra a natureza com a qual nasceu. Jacó enfrentou desafio após desafio, porque sabia que quando lutamos contra a nossa natureza, quando nascemos de uma maneira e lutamos completamente contra esta maneira de ser para realizarmos a transformação, é aí que a Luz do Criador é revelada.
Esta é a verdadeira lição entre Jacó e Esaú. Embora Esaú estivesse disposto a fazer o trabalho espiritual, ele não estava disposto a lutar contra a sua natureza. Ele nem sequer pensou que era necessário. Não é que devamos ver Esaú como uma pessoa negativa, o fato é que Esaú pensou que, para crescer espiritualmente, bastava usar todos os poderes com os quais nasceu. Esaú honrou e respeitou seu pai, fez grandes coisas... mas só quando ele quis. Este não é o verdadeiro trabalho espiritual. O trabalho espiritual que fazemos, que está dentro da nossa natureza e que é confortável para nós, não é um verdadeiro trabalho espiritual, não revela muita Luz.
A realidade de quem Esaú era nunca foi mudada, porque o trabalho espiritual que ele realizava não ia contra todas as fibras de seu ser. Uma pessoa pode estar estudando, pode estar fazendo muitas ações de compartilhar, mas isto não significa que ela esteja cumprindo seu propósito. Muitos de nós nascemos com boas qualidades que, é claro, precisamos usar. É bom que façamos todas as outras coisas que estão dentro da nossa natureza, que sejam de compartilhar, que revelem alguma Luz. Não significa que devemos deixar de fazer essas coisas. Nós apenas temos que ter cuidado para não cometermos o erro de pensar que, simplesmente porque estamos fazendo ações positivas, isto significa que estamos realizando nosso propósito. Por exemplo, há pessoas que são naturalmente caridosas, outras cuja natureza é alcançar sabedoria e outras que nascem professores. No entanto, o fato de elas darem dinheiro, o fato de elas investirem seu tempo em alcançar sabedoria, o fato de elas investirem toda a sua energia ensinando outras pessoas, é claro, vai trazer uma certa quantidade de Luz, mas isso não significa que estejam realizando o que vieram a este mundo para realizar.
Esta compreensão certamente nos dá uma avaliação diferente de como precisamos olhar para a nossa vida espiritual. Nós percebemos, através desta porção, que a resposta não é o quanto você faz, ou mesmo o que você faz, mas o quanto você está lutando contra a sua natureza. Eu penso sobre isto para mim mesmo, e espero que todos vocês também o façam. Para avaliar onde você se encontra no processo de sua alma, no processo de revelar o propósito para o qual veio a este mundo, a pergunta tem que ser: você está transformando a natureza com a qual nasceu?
Aprendemos desta porção que viver uma boa vida espiritual não significa nada se fizermos tudo o que estiver dentro da nossa natureza. Este conceito pode realmente mudar a nossa vida, porque não mentiremos mais para nós mesmos. Isto nos dá um meio de avaliarmos onde realmente nos encontramos no processo da nossa alma. Ao perguntarmos a nós mesmos: “Qual é a minha natureza e quais ações estou fazendo que são completamente opostas a ela?”, vemos onde nosso trabalho está realmente focado.
Nesta porção, Jacó luta contra tudo o que ele é, e nesta semana, recebemos o incrível dom de conectarmos com ele e obtermos sua ajuda para travarmos nossas próprias batalhas. Fazendo isso, estaremos revelando mais e mais Luz, e cada vez mais próximos de realizarmos nosso verdadeiro propósito... e quando transformarmos nossa natureza, ilimitada Luz e bênçãos poderão fluir em nossas vidas.

Seus Desafios São Suas Bênçãos | por Karen Berg

O poder da bondade, da compaixão e do amor encontram por vezes os nossos corações na mais escura das noites. Apesar de ser difícil de aceitar quando estamos no turbilhão do desafio, a verdade é que sem desafio não há crescimento. Sem escuridão, não há Luz.

Peguemos por exemplo na porção de Toldot, na qual Rebeca, a mulher de Isaac, se vê grávida, miraculosamente grávida de gémeos, Jacó e Esaú. Mesmo no útero ela consegue sentir a energia contrastante dos gêmeos na forma das dores excruciantes da gravidez, e por isso ela questiona Deus para saber o que está acontecendo dentro dela.

E Deus diz-lhe: "No seu ventre você tem duas nações". Como veio a acontecer, Jacó tornou-se um homem do estudo e do espírito, e Esaú tornou-se exatamente no oposto (epítome do Desejo de receber para Si mesmo), em egoísmo e ego.

Podemos questionar, como o Rashi o fez, como é que estas duas almas tão elevadas, Isaac e Rebeca, puderam trazer a este mundo uma alma como a de Esaú? A resposta fica clara quando levamos em conta a ideia de que a Luz não vem da luz. A Luz vem da escuridão. O universo inteiro opera segundo a polaridade. Esaú era completamente negativo e por isso tinha o potencial para fazer a maior transformação.

Os kabalistas revelam que Esaú representa o Desejo de Receber Para si Mesmo que existe em todos nós, e recorda-nos o tremendo poder que nos foi injetado e que nos permite converter essa energia para o bem.

Por vezes podemos desejar não ter de passar por desafios e podemos achar que a vida é um passeio no parque. Mas o que é mais satisfatório é saber que, com ferramentas espirituais e vontade de olhar para dentro e participar do trabalho interno, podemos superar e revelar mais da nossa alma, no dia a dia. Deste modo, transformamos a escuridão que então nos rodeava numa vantagem, alterando a nossa dívida kármica. Um grande exemplo é a pessoa que tem que superar um vício, abuso, ou outra forma de trauma para poder ser um farol de esperança e cura para outras pessoas.  Os nossos desafios são as nossas oportunidades de ouro de abrir os nossos corações e de desfrutar a bênção de estarmos mais integrados na vida das pessoas à nossa volta.

Seja qual for a dificuldade que possamos estar atravessando, o desafio espiritual mantém-se o mesmo: reconhecer que a escuridão que estamos vivenciando é a nossa oportunidade de revelar a nossa beleza, a nossa força interior e Luz neste mundo.

Desejo a todos a energia e o poder de que necessitam para enfrentar seja qual for a prova que têm perante vocês neste momento, com graça e consciência. Ao fazê-lo, que possam provar a água doce do poço do caminho espiritual, sendo para sempre nutrido por ele.

segunda-feira, 18 de setembro de 2017

Sua Verdadeira Força Está No Momento Presente | por Karen Berg

É da natureza humana sentir-se amedrontado com o futuro ou se arrepender do passado, mas nunca se esqueça de que sua verdadeira força está no presente.
É sempre bom lembrar disso sempre que nos aproximamos de uma abertura cósmica, como Rosh Hashanah, o dia no qual nossas vidas serão colocadas diante do Criador. Em nossa preparação espiritual para tal evento, podemos nos encontrar ajustando nossa visão um pouco "além dos mares", por assim dizer.
Muitas vezes eu uso o exemplo de um indivíduo que trabalhou por 50 anos em uma profissão, que ele mesmo não gostava, apenas para que “um dia” ele pudesse se aposentar e finalmente aproveitar a vida. E quem disse que haverá este “um dia”? Eu acredito que a vida é muito mais gratificante quando reconhecemos os milagres que estão diante de nós em cada momento.
Claro, todos nós temos aspectos de nossa existência que preferíamos não ter que lidar, e podemos ter obrigações a cumprir que talvez gostaríamos de deixar de lado. Mesmo assim, há muito mais beleza e maravilhas ao nosso redor, que frequentemente são negligenciados. Com qual frequência acordamos pela manhã e nos damos conta das bênçãos que temos aqui e agora? Não é fabuloso que eu possa ver o sol nascer? Não é maravilhoso experienciar, em um dia, coisas que me fazem feliz, mesmo que sejam pequenas e simples?
Na porção de Nitzavim, está escrito: “...isto não está além de você, nem está longe de você. Isto não está no céu. Não está do outro lado do mar. E sim, está bem perto de você, em sua boca, em seu coração.”
Enquanto olhamos para Rosh Hashanah e para todas as oportunidades espirituais   dentro do mês de Tishrei (Libra)  –  o que é certamente uma coisa positiva e proativa a fazer  – meu conselho é que nunca percamos a consciência das oportunidades que estão diante de nós agora… afinal, elas não são tudo o que temos de qualquer forma?
Lembro-me de uma maravilhosa citação do Baal Shem Tov:
“ O mundo é novo para nós a cada manhã. Este é o presente de Deus, e cada pessoa deveria acreditar que renasce a cada dia.”

sexta-feira, 28 de julho de 2017

Espiritualidade em ação | por Karen Berg

Há muitos componentes na espiritualidade. Claro, há o estudo por meio do qual nós podemos esclarecer as muitas profundidades da magnificência do Criador. Também há a oração, um canal onde palavras e pensamentos podem nos conectar com a Luz sempre presente de Deus. Ambas peças são importantes, mas mesmo assim há um outro componente, um que eu sinto ser mais poderoso para alcançar um estilo de vida espiritual e todas as bênçãos e realizações que vem com isso. É  o que gosto de chamar de espiritualidade em ação. Pois não há nada que gere mais positividade no mundo do que abrir nossos corações para os outros ou oferecer uma ajuda a alguém que precise. Rezar para Deus é lindo e estudar Deus é o caminho da iluminação, mas ser como Deus é realmente Divino.
Na porção do Zohar que lemos esta semana, tem uma história sobre um garoto de seis anos de idade, chamado Yenuka que tinha o dom da visão espiritual. Quando dois visitantes entraram em sua casa (que a propósito, eram almas justas), ele foi capaz de “ver” que eles não haviam feito suas orações. Ele pode “ver” que eles não haviam criado alguns canais espirituais naquele dia. Não somente isto é um testamento para o fato de que crianças têm mais acesso ao reino não visível do que os adultos, mas à medida que a história avança, nós encontramos uma grande lição.
Depois que o menino fala aos dois indivíduos justos, eles ficam surpresos. Eles confirmam que sim, ele está correto: eles haviam deixado de fazer suas conexões. Mas então eles explicam a razão: Eles estavam ocupados ajudando um casal necessitado em seu casamento, que não tinham nem família nem amigos para apoiá-los. Eles perderam seu próprio “tempo” com o Criador, porque eles estavam agindo. Eles sabiam que esta ação de verdadeiro compartilhar, para qual não haveria reembolso ou retorno, era muito importante naquela manhã. Que excelente lembrete! É tão fácil cair na mesmice em nosso próprio trabalho espiritual e esquecer a razão pela qual atravessamos este caminho espiritual, em primeiro lugar. Por meio da Torá,somos abençoados com inequívocas instruções, mas nós nunca devemos esquecer as ideias de empatia, gentileza e dignidade humana; pois inevitavelmente são elas que mudam o mundo.
Este conceito me faz lembrar da ideia de que quando o Criador criou a Terra, Ele o fez com as Leis da Natureza. Mas ele também criou pontos específicos no tempo e espaço, onde haveria exceções a estas Leis, como quando o sol parou no céu para Josué. Assim também é para nós. Nós todos teremos momentos em que seremos chamados a ajudar alguém, sacrificando algo que é nosso. O ponto a se lembrar é que quando falamos de compartilhar, somos nós que realmente nos beneficiamos dessa troca. Na leitura da Torá desta semana (Devarim), Moisés repreende os Israelitas, não por raiva ou desdém, mas por amor. Ele estava ajudando-os a enxergar os lugares que necessitavam transformar. Ele sabia que eles precisavam ser capazes de caminhar com seus próprios pés. Ele sabia que eles precisavam tomar decisões - não por uma questão de parecer bem - mas para aumentar sua natureza espiritual, assim como os dois justos da história. Este é o presente que todos recebemos também. Esta é uma semana para demonstrar espiritualidade em ação. O nosso aspecto imortal está constantemente procurando compartilhar, cuidar, rezar pelos outros, dar e receber amor livremente. Estejamos sempre abertos para as oportunidades que aparecem.
Tenham uma semana abençoada,
Karen.

quarta-feira, 12 de julho de 2017

3 Semanas de Oportunidade | Ben HaMetzarim

Estamos prestes a entrar num período conhecido como Ben HaMetzarim ou As 3 Semanas Negativas, que começa em 11 de julho de 2017 e vai até Tisha b'Av (neste ano, 1 de agosto de 2017). Tisha b'Av, que significa o 9º dia do mês de Leão, marca o aniversário de várias calamidades em toda a história bíblica e moderna, principalmente a destruição dos dois Templos Sagrados.
Esse é um momento em que nossas naturezas egoístas tendem a despertar. É mais difícil do que o habitual não reagirmos negativamente. Alguns de nós enfrentarão desafios; nossa certeza será testada e muitos descobrirão mais negatividade dentro de nós mesmos do que jamais gostaríamos de ver.
Nossa reação inicial a esta notícia pode ser de que sejam três boas semanas para ficarmos em casa e para não sairmos de casa! Por que sair pelo mundo e enfrentar esses desafios extras quando seria mais seguro simplesmente se esconder e se proteger?
Os kabalistas ensinam que durante essas três semana há mais Luz disponível do que o normal e que, durante os momentos mais difíceis da vida, recebemos raras oportunidades para transformar e crescer espiritualmente. Este é um momento em que podemos nos purificar da negatividade e até da doença. O Rav Berg muitas vezes se referia a Ben HaMetzarim não como um tempo de negatividade, mas de fazer milagres! Poucos outros momentos do nosso ano podem nos dar acesso a uma abundância de bênçãos. Ao se concentrar na transformação durante essas três semanas, quando é mais difícil fazê-lo, podemos remover a negatividade do nosso passado, presente e futuro.
Quando vistas a partir deste ângulo, essas 3 semanas no tempo não são nada assustadoras. O medo é o que nos mantém presos aos nossos padrões e nos impede de revelar grandes bênçãos. Estar abertos ao desafio de Ben HaMetzarim pode nos elevar ao nosso próximo nível, ao nos mostrar as coisas que mais precisamos mudar.
Podem ser 21 dias poderosos se escolhermos nos conectar à consciência de amor incondicional, compartilhar e restrição. Se escolhermos aproveitar a oportunidade ao confrontar nossas qualidades negativas, então podemos nos aproximar da melhor versão de nós mesmos e portanto criar uma vida melhor para nós mesmos e um mundo melhor para todos nós.
→ Clique aqui para baixar as meditações kabalísticas para essas Três Semanas

Previsão astrológica de 9 a 15 de julho | por Yael Yardeni

Olá a todos!
Espero que o novo mês de Câncer esteja nos inspirando a trabalhar e nos livrarmos de todas as nossas (não tão boas) emoções indesejadas.
Esta é uma semana muito importante e muito querida para os kabalistas, especialmente para o nosso querido professor, o Rav.
Vamos dar uma olhada no mapa desta semana:
O que imediatamente chama nossa atenção é uma QUADRATURA EM T entre Júpiter, Lua e Marte. Esta configuração específica requer um estudo mais de perto, pois envolve Marte, que é a energia, a gasolina, por assim dizer, do mapa.
Plutão em movimento retrógrado, está em conjunção com a Lua, portanto, é necessário mais profundidade em tudo o que fizermos, e deve-se ter atenção para ouvir melhor as mensagens internas, para aumentar nossa consciência. Em suma, Plutão escava o fundo da nossa psique para encontrar alguns demônios, mas também alguns diamantes.
Plutão está em oposição ao Sol para facilitar uma transformação, tão necessária para todo o nosso ser. Ufa! Nós sabíamos que Câncer lunar seria intenso!
Sol e Marte também estão em conjunção em Câncer. Resultado, há muita ação no universo esta semana!
Uma mensagem muito importante dos astros diz respeito a Plutão.
Em muitos aspectos, Plutão é um remédio poderoso contra todos os comportamentos e situações em nossas vidas que não são mais necessárias. É como se tivéssemos sido submetidos a um processo de parto, de abrir mão, o que permitirá que surja um novo "eu".
As palavras-chave para Plutão são: escavação profunda, destruição do antigo, regeneração e cura, todas acontecendo ao mesmo tempo. Falo de uma pílula amarga extra forte.
Além disso, como mencionamos antes, Plutão está agora em oposição ao Sol. O Sol, no sistema kabalístico, representa o nosso ego, o nosso comportamento em geral e 65% do nosso Tikkun (ou correção). Realmente, é aqui que a maior parte do nosso trabalho espiritual precisa ser feito.
A quadratura em T desempenha um papel essencial como o provocador, o portador de um despertar cósmico para ambos, o indivíduo e o coletivo, e está levantando uma questão essencial:
Onde está investida a nossa energia (Marte)? Ela está investida para a expansão do crescimento (Júpiter) ou está mantida internamente e implodindo?
Marte sempre levanta questões sobre saúde porque questiona nossos níveis de energia.
Como Marte está dando energia ao Sol (ambos estão em conjunção), esta semana é a nossa maior oportunidade de curar nossas vidas através de profundas mudanças de consciência.
A Kabbalah explica que não existe doença no corpo que não exista primeiro na alma.
Toda essa semana deve ser dedicada à CURA da nossa consciência, das nossas emoções, das nossas almas.
Como lidar com tudo isso?
Uma vez que entramos no mês lunar de Câncer, certos comportamentos estão sendo recorrentes. O Rav, nosso amado professor, costumava dizer: "A consciência é tudo".
Devemos levar nossa evolução espiritual um passo de cada vez, exceto esta semana, que é um passo muito maior do que o habitual, já que o cosmos está nos empurrando para frente.
As meditações diárias são recomendadas por toda essa semana, mesmo 10 minutos por vez, e devem incluir uma liberação energética do comportamento, imaginando, por exemplo, que uma nuvem escura está nos deixando e nosso corpo inteiro está sendo preenchido com Luz.
Deve-se ter especial cuidado em injetar certeza e um brilho de Luz nas partes do nosso corpo que estão fracas ou doloridas. Conforme estamos acostumados na Kabbalah, devemos também incluir na nossa visualização um ente querido que necessite de cura, para que a energia criada por nós tenha continuidade.
Tenham uma fantástica semana de cura!
Com amor,
Yael

Removendo o veneno do lado negativo | por Michael Berg

No final da porção de Pinchas, Moisés sabe que vai deixar este mundo, e pede ao Criador que nomeie um líder para substituí-lo. O Sh'la diz que Moisés não estava pedindo um líder apenas para a sua época. Ele também pediu para ser revelado quem seria o líder no momento do Fim da Correção. O Criador responde a Moisés e revela Josué, que será o líder que o substituirá. Mas o Criador também mostra o líder para o Fim da Correção e, portanto, ao fazê-lo, revela a Luz do Fim da Correção.
O Criador também mostra a Moisés todas as gerações que viverão a partir daquele momento até o nosso tempo, até o tempo do Fim da Correção. O Criador mostra a ele que toda geração a partir de então será uma geração menor do que a anterior; toda geração a partir de então terá menos consciência e será mais desconectada. Poderia-se dizer que isso parece ser uma coisa negativa, mas de alguma forma essa compreensão deveria inspirar Moisés. E o Sh'la compartilha o porquê: o fato de que cada geração estará mais desconectada da Luz do Criador, que haverá mais véus entre cada geração, é a razão pela qual o Mashiach virá.
A maioria de nós, quando pensa no processo da humanidade, compreende que há uma certa quantidade de Luz que precisa ser revelada, e quando essa Luz for revelada, será o Fim da Correção. Esse é o nosso trabalho; todos os dias nos esforçamos para revelar mais Luz, e isso é importante, e é verdade. Mas há outro aspecto; um segredo fundamental que eu acho que a maioria de nós não conhece nem aprecia. Esse aspecto é baseado em um verso, em Jó, que diz ketz sam lachoshech, "O Criador pôs fim à escuridão".
Os kabalistas explicam que no Jardim do Éden, quando Adão e Eva caíram, a serpente injetou seu veneno neles, e através deles, na humanidade. E eles nos dizem que esse veneno, essa escuridão, é finita. Há uma certa escuridão que a serpente colocou na humanidade, e quando esse veneno for removido, será o Fim da Correção - como se uma pessoa pudesse tirar o veneno depois de ser mordida por uma cobra, e assim ela poderá viver.
Por uma questão de compreensão, vamos supor que existem mil unidades de veneno que a serpente injetou no sistema. E durante os últimos cinco mil mais anos, em toda a história da humanidade, toda dor que um indivíduo sentiu removeu uma parte desse veneno e escuridão que foi injetada na humanidade. Quando essa quantidade de veneno for removida do sistema humano, quando essa quantidade for zero, ocorrerá toda a Revelação. E, como ensina Rav Ashlag: a Luz do Criador existe em todos os lugares, mas há véus sobre a Luz. De onde vêm esses véus? Os véus vêm do veneno da serpente. Assim, uma vez que o veneno da cobra é removido do sistema humano, toda Luz é revelada. Existem duas maneiras de remover esse veneno. Há o caminho proativo, a maneira de transformar a escuridão em Luz, e há a dor.
Então, o que fazemos com esse entendimento? Rav Berg costumava dizer, por exemplo, que se você vai ao dentista e está sentindo dor, você deveria pedir por mais dor. Eu não acho que entendíamos a profundidade ou o segredo deste ensinamento antes, mas espero que o entendamos agora. Porque agora, quando você estiver passando por algo desconfortável, você entenderá que parte da bênção do desconforto e da dor é que você está removendo a escuridão desse acúmulo de veneno, não apenas para si mesmo, mas para toda a humanidade. O Fim da Correção não ocorrerá quando uma certa quantidade de Luz for revelada, mas sim quando o veneno da serpente, ou os véus, como são chamados, forem completamente removidos.
Moisés queria saber como o Fim da Correção aconteceria, e o Criador respondeu que a geração de Moisés estava mais conectada ao Criador do que à próxima geração. O que isso significa? A serpente terá que enviar mais véus e escuridão para este mundo, e ela nem sequer sabe o que está fazendo, mas está se matando, porque cada vez que traz a escuridão a este mundo, ela diminui suas forças - porque a serpente só tem uma certa quantidade de vida. Uma vez feito isso, ela estará exaurida. Assim, para cada geração que fica mais desconectada da Luz do Criador, a serpente, a negatividade, coloca véus maiores neste mundo. E toda experiência desses véus para essa geração tira um pouco do poder, um pouco do veneno, da serpente.
Isso é o que o Criador diz a Moisés neste Shabat. Sim, é verdade que cada geração será menor, mas é uma boa notícia, porque cada geração terá mais véus, e o lado negativo, a cobra, continuará colocando mais e mais véus até chegar a um ponto em que ela estará acabada, e não terá mais veneno nem mais trevas - ketz sam lachoshech; há uma quantidade finita de escuridão que pode se manifestar neste mundo e, portanto, para nós.
Agora, espero que possamos chegar a uma compreensão mais profunda do que o Rav queria dizer quando pedia por mais dor. Quando você tem essa consciência, e pede por mais dor, você sabe que com isso, está matando a força negativa mais rapidamente. Então, a questão passa a ser: se você está sentindo dor, o que você está fazendo com isso? Penso que quando a maioria de nós sente dor, dizemos: "Tire isso". Mas quando essa é a sua consciência, você não está ajudando a si mesmo ou ao mundo.
Com esse entendimento, podemos apreciar os dois lados do processo. O trabalho espiritual que fazemos, que revela a Luz e transforma a escuridão em Luz é parte disso, mas também precisamos apreciar e ter consciência sobre as coisas incômodas e dolorosas; e como o Rav disse: temos que pedir por mais. Quando você faz isso, aprecia a dor que está sentindo e entende que através disso, você está sugando a força vital do lado negativo. Esse é, como eu disse, um segredo muito importante que nos é revelado neste Shabat.

Certeza, paz e cura espiritual | por Karen Berg

A porção desta semana é bem famosa, provavelmente mais no Kabbalah Centre do que em qualquer outro lugar do mundo, por ser a porção relacionada diretamente com cura espiritual. Também era a porção preferida do Rav Berg. “Pinchas!” - ele geralmente exclamava do palco. “O que encontrei em Pinchas que não encontrei em nenhum outro lugar?”
Cura! Vá e ouça Pinchas! Façam fila no quarteirão! Façam qualquer coisa que tiverem que fazer para ouvir a leitura de Pinchas.” De fato, cabe a nós todos fazer uso da energia de cura que permeia o universo esta semana. Por que Pinchas é considerada a porção de cura e como podemos acessar esta totalidade em nossas vidas hoje?
Bem, antes de tudo, está escrito no Zohar que Pinchas recebeu o dom do shalom ou paz. Paz é estado de se  estar internamente satisfeito e de combinar a cabeça com o coração. Hoje sabemos que o que Zohar nos disse milhares de anos atrás é verdadeiro, que na verdade a maioria das doenças não vem da cabeça, mas do coração, da emoção por não se estar preenchido.
Sabe, corremos ao Centro no Shabbat Pinchas para cura, mas na verdade, o maior presente que recebemos desta porção, é a habilidade de encontrar a a certeza dentro de nós. Pois é através da certeza que encontraremos a paz. Certeza é o estado de se saber que independente do que esteja acontecendo em minha vida agora - e quem quer que esteja em minha vida neste momento - é perfeito para meu desenvolvimento espiritual. O que poderia ser mais acalentador do que o total conhecimento disso?
A maioria de nós trabalha com a cabeça, onde tem muito barulho. Esta semana, faça o se conectar com seu coração uma prioridade. É onde existe a certeza. É onde você encontrará paz.
Pinchas é um poderoso canal para cura porque ele teve essa certeza de espírito e paz em seu coração. Não importando com o que as pessoas pensavam sobre ele, não importando com o quanto ele foi criticado, esta alma justa sabia o que era certo e elevou-se para isso.
Como o Rav diz, “ Pinchas se levantou  contra tudo o que era errado, mesmo que implicasse sua própria vida. Ele revelou tremenda Luz no mundo. A leitura desta porção pode beneficiar toda a humanidade. Podemos não ver seu benefício imediatamente, mas com o tempo, ele virá.”
Desejo a vocês uma semana abençoada,
Karen

segunda-feira, 3 de julho de 2017

A Verdade Boa Acerca das Más Situações

A Verdade Boa Acerca das Más Situações
Sabem, não obstante todas as complicações inerentes à vida humana, a mente, em si, permanece relativamente simples ao longo de todos estes anos. Nós compartimentamos o que nos acontece em uma de duas categorias: bom ou mau. Se conseguimos o emprego ou o cliente, é uma coisa boa! Se pedimos algo a alguém e a pessoa diz sim.., hurra! Também é bom. No entanto, se perdemos o emprego, ou se somos rejeitados, isso é algo mau.  Ou não?
Conseguem pensar numa situação que no início parecesse terrível , mas acaba por ser a melhor coisa que alguma vez poderia ter acontecido?
Por exemplo, uma vez tive uma amiga que ficou inconsolável quando o namorado rompeu com ela. Quer dizer, é natural ficarmos perturbados, mas esta mulher estava destroçada. Na sua cabeça, este era o homem com quem ela deveria casar, e por anos e anos ficou presa a ele. Só quando ele finalmente casou com outra pessoa é que ela foi capaz de abandonar a ideia de que eles tinham sido feitos um para o outro.
Uma coisa engraçada aconteceu depois. Apenas uma semana depois de ele ter casado -  apenas sete dias após ela ter finalmente abandonado a ideia - ela conheceu o amor da vida dela. E casaram em um ano.
Eu estava a conversar com ela sobre isto no outro dia e ela riu e disse: "Karen, eu não fazia ideia de que algo melhor estava a caminho".
Eu quis dizer-lhe, "A sério, não fazias ideia? Porque eu e dúzias de amigos teus dissemos-te exatamente isso naquele mesmo dia".... Mas esse não é o ponto.
O ponto de toda esta história é este: ok, ela está feliz agora, mas e todos aqueles anos que ela passou sentindo-se miserável por causa de uma pessoa que nunca de verdade lhe estava destinada? Claro, agora ela pode olhar para trás e dizer que aquilo que ela pensava ser o pior acabou por ser o melhor que lhe podia ter acontecido.
Mas querem saber? Tudo na vida é assim. Mesmo as circunstâncias que vemos como negativas, na verdade é suposto levarem-nos para um melhor estado de ser, para um melhor modo de vida.
Não precisamos de dizer mais " se eu soubesse o que sei hoje" se soubermos que a mão do Criador está em tudo. Para encontrar o melhor emprego, a alma gémea, os amigos certos, e tudo o que de melhor a vida tem para nos oferecer, às vezes tudo o que precisamos é de abrir mão da ideia que temos sobre como as coisas deveriam ser.
Isto lembra-me muito a porção bíblica desta semana, Balak, e de como ele tentou prejudicar  os israelitas , só porque eles eram abençoados.
Bom, deixem-me contar-vos um segredo: aquele que vê tudo como uma benção é verdadeiramente abençoado. Quando vês a Luz em tudo - sobretudo quando é mais difícil - a escuridão não pode tocar-te.
Esta semana,aquando as coisas não acontecerem como tinhas planeado, esquece! Confia que o Criador está a guiar-te para um destino melhor. E se houver coisas a que tens vindo a agarrar-te - experiências de vida, que tens visto como estritamente "negativas" - existe no universo esta semana uma energia que te pode ajudar a começar a ver a Luz que existe aí também. Se mesmo na escuridão conseguirmos confiar que a Luz está lá, a seu tempo seguramente veremos que assim é.
Desejando uma abençoada semana,
Karen

Porque Parece Ser Mais Difícil do que Nunca Ser Espiritual

Porque Parece Ser Mais Difícil do que Nunca Ser Espiritual
Nos últimos anos, muitos amigos e alunos têm-me dito que é cada vez mais difícil investir em espiritualidade. A atmosfera energética parece mais "pesada" do que há uma década, ou mais. Existe uma cortina que cobre a grande importância de uma simples meditação matinal, ou de uma oração nocturna. Estamos a viver numa era de paradoxos, em que esta coisa a que chamamos espiritualidade é, simultaneamente, mais necessária do que nunca antes na história e no entanto mais difícil. Porque é que é mais necessária do que nunca? E porque é que é tão difícil?
Bom, olhemos em redor. Não é preciso mais do que uma olhadela aos jornais para ver o caos que nos rodeia. Todos os dias ouvimos sobre novos desastres, somos atormentados pelo terror e afligidos pela perda de tantas almas.
Seria lógico que com tanta negatividade no mundo de hoje, sentíssemos uma intensa necessidade de espiritualidade. No entanto, e ao mesmo tempo, os nossos esforços em estudar e tomar ações tornaram-se mais desafiantes.
Frequentemente as pessoas perguntam: como vamos nós acreditar que em tempos assim podemos ter um impacto positivo no mundo? Afinal, houve almas tão mais elevadas e justas que vieram antes nós... Queres então dizer-me que Moisés e Simão não conseguiram trazer a redenção mas nós vamos conseguir?
A resposta é: só nós o podemos conseguir!
Sabem uma dos ensinamentos essenciais do Kabbalah Centre é o de que a maior escuridão pode revelar a maior Luz. O que quero eu exatamente dizer com isto? Bom, por exemplo, os kabbalistas ensinam que um alma elevada e justa como a de Moisés poderia levar a cabo a ação espiritual mais elevada que isso não chegaria nem perto de revelar mais luz do que se uma pessoa egoísta se excedesse para partilhar algo com alguém.
Vivemos num tempo em que não é fácil ter certeza. Por isso, cada segundo em que conseguimos ter certeza revela mais bondade no mundo do que podemos imaginar. Vivemos num tempo em que não é fácil estender a mão para partilhar com alguém; daí que, ao partilharmos nem que seja um sorriso com um desconhecido na rua, estamos de facto a criar uma abertura por onde a abundância divina pode fluir para as nossas vidas.
Quanto mais difícil for estudar espiritualidade, scanear o Zohar, ser amável, usar palavras positivas, ver o bem nos outros, mais Luz podemos revelar nessas ações.
Esta semana é a porção de Chukat, em que nos deparamos com a queima da vitela vermelha que serve para nos limpar do Desejo de Receber para Nós Mesmos, um desejo mais predominante nos nossos dias do que nunca antes. É nos momentos em que transformamos o nosso Desejo de Receber num Desejo de Partilhar que criamos o Céu na Terra. Esta é uma semana especial. É uma semana que nos pode ajudar não apenas a lembrar-nos de transformar o desejo de receber num desejo de partilhar, mas também a agir em conformidade, a levar-nos a estudar um pouco mais, a partilhar mais, e a agir com mais dignidade humana e gentileza para com o nosso semelhante.
Vivemos numa geração que tem uma maior oportunidade do que tiveram as grandes almas que vieram antes de nós, porque é das profundezas das trevas que podemos revelar a mais brilhante Luz.
Nunca se esqueçam disso.
Desejos de uma semana abençoada
Karen

domingo, 26 de fevereiro de 2017

Terumah: A Importância de Alimentar a Alma Sexta-feira

Terumah: A Importância de Alimentar a Alma Sexta-feira
Alimentar o corpo faz-nos sobreviver, mas alimentar a alma é o que nos leva a prosperar.
Na porção de Terumah, Deus instrui Moisés: "Constrói-me um Tabernáculo, para que possa morar dentro de ti". Nesta história ocorre um desaguisado entre Moisés e Bezalel, o chefe-artesão do Tabernáculo, respeitante ao modo como este deveria ser construído.Inicialmente, Bezalel pretende construir a estrutura tal como se constrói uma casa. Primeiro colocam-se as fundações, depois levantam-se as paredes, faz-se o telhado e depois põe-se tudo dentro. E parece fazer sentido. Moisés discorda, afirmando que primeiro é preciso estabelecer o que será posto dentro e depois devem erguer-se as paredes em redor. É uma conversa estranha em contexto bíblico, mas claro que sabemos que nada existe na Sagrada Escritura que não contenha sabedoria profunda. Com estas instruções dadas a Bezalel, Moisés está a ensinar-nos um grande segredo: quando se trata de matérias do espírito, o que vem primeiro e o que mais importa é o que está dentro. "Statistic Brain" fez um estudo em 2017, sondando as Resoluções de Ano Novo de milhares de indivíduos. Uma larga maioria, 21 por cento, resolvera que iria comer mais saudável e perder peso. Parecem objetivos sadios. Afinal o nosso corpo é uma dádiva do Criador e como tal é importante tomar conta dele. A nossa alma também é uma dádiva do Criador e embora não seja tão observável e carente como o nosso corpo, é a força motriz do corpo e também merece ser alimentada. Muitos alunos têm-me abordado ao longo dos anos perguntando:"Karen, sou tão ocupado. Tenho uma vida preenchida, dificilmente tenho um tempo livre. Como investir tempo e energia em espiritualidade?" É uma boa pergunta, à qual eu responderia com outra pergunta: como podemos estar demasiado ocupados para a espiritualidade quando sem o espírito não teríamos nada com o que nos ocuparmos? Seja meditação, oração ou uma simples caminhada ao ar livre, podemos sempre encontrar um momento, por entre a frenética natureza de cada dia, para cuidar da nossa Luz interior. Às vezes, não há nada mais poderoso do que apertar o botão Pausa, o tempo suficiente para aquietarmos a mente, abrir os nossos corações, e dar graças por tudo com o que fomos abençoados. Depois podemos voltar a mergulhar na nossa rotina refrescados, rejuvenescidos e prontos a erguermo-nos ao nosso eu mais compassivo, amoroso e animado. Esta é uma excelente semana para começarmos a fazer da nossa alma uma prioridade. Se acha difícil parar a meio do dia, tente levantar-se um pouquinho mais cedo e reservar uns breves momentos para uma oração ou meditação antes de sair porta fora. Para aqueles que sentem que já fazem da iluminação uma prioridade, procurem elevar a sua própria fasquia. Se lê ou scaneia o Zohar por 10 minutos, esta semana faça-o por 15. Quanto mais nos nutrirmos espiritualmente, mais agradável será a nossa jornada neste plano físico. Quando a alma é alimentada, o corpo brilha em esplendor. Com cada pessoa que atribui importância à sua Luz, o mundo torna-se mais radioso por causa disso.
Esta semana, faça do alimentar da alma o seu verdadeiro Norte.
desejo uma semana abençoada
Karen

domingo, 5 de junho de 2016

CONSCIÊNCIA DIÁRIA: A melhor coisa que poderia acontecer

A melhor coisa que poderia acontecer

Você consegue pensar em um momento de sua vida em que parecia que tudo estava desabando e se desintegrando e, muito tempo depois descobriu que, na verdade, tudo estava simplesmente se integrando? Às vezes, julgamos uma situação como negativa, mas, no final, acabamos descobrindo que foi a melhor coisa que poderia acontecer!

O que parece ruim hoje pode não ser ruim amanhã. Às vezes, o que parece negativo no inicio, acaba sendo a maior bênção.



Find Karen on Facebook

Follow Karen on Twitter

quinta-feira, 2 de junho de 2016

CONSCIÊNCIA DIÁRIA: A Luz está trabalhando para você

A Luz está trabalhando para você

Certeza é saber que tudo que estiver acontecendo, seja o que for, é para o meu bem, para me ajudar a crescer e para me levar a um futuro melhor.

Portanto, fique calmo. Continue a respirar. Continue a sorrir. Independente do que estiver acontecendo, tenha certeza de que é para o melhor e que a Luz trabalha para você.



Find Karen on Facebook

Follow Karen on Twitter

quarta-feira, 1 de junho de 2016

Palestra introdutória gratuita | novas datas SP

 
Visite o site do Kabbalah Centre Brasil
São Paulo

Palestra introdutória gratuita | novas datas
A Kabbalah é uma sabedoria espiritual além de seu tempo, que fornece formas práticas de evoluir, criar alegria, plenitude duradoura e tudo que seu coração deseje. Cada um de nós possui dentro de si o poder de criar a vida que quiser. A Kabbalah ensina como ativar esse poder e pode mudar completamente a forma como você encara o mundo.

Quando começar a estudar? Atente-se para nossas novas datas da palestra introdutória gratuita e ative o poder para mudar completamente a forma como você encara o mundo ao seu redor.
 
Terça | 07 de Junho | 19h30
Quarta | 15 de Junho | 08h15
Quinta | 16 de Junho | 15h15
Quinta | 16 de Junho | 21h00


Confirme aqui a sua presença!
Clique e saiba mais


Quer se aprofundar ainda mais no estudo da Kabbalah? Clique e saiba mais sobre o curso "O Poder da Kabbalah 1".

Para mais informações contatar:
 
SP | 11 3065 8555 | kcsaopaulo@kabbalah.com
Alameda Itu, 1561 | Jardins | entre Rebouças e Consolação

RJ | 21 3042 7272 | kcrio@kabbalah.com
Rua Vítor Maurtua, 15 | Lagoa

ONLINE | 11 3522 1472 | 11 9746 1846 kcbrasil@kabbalah.com
0800 772 3272 | Site  Kabbalah Centre Brasil

 

CONSCIÊNCIA DIÁRIA: O propósito de nossas bênçãos

O propósito de nossas bênçãos

O Zohar nos diz que toda bênção nos é dada por dois motivos: primeiro, para que a desfrutemos, e segundo, é para que possamos compartilhá-la com os demais.
Falando espiritualmente, não existe o “meu”. Cada dádiva, cada talento, cada milagre que nos é dado pelo Criador, é para que o utilizemos para fazer o mundo um lugar melhor.



Find Karen on Facebook

Follow Karen on Twitter

quinta-feira, 26 de maio de 2016

CONSCIÊNCIA DIÁRIA: Encontre um motivo para sorrir


Encontre um motivo para sorrir

Independente do que acontecer com você durante seu dia, sempre existirá um motivo para você sorrir. Em certos dias, você apenas precisará se esforçar mais para encontrá-lo.

Encontre uma razão para sorrir. Nem que seja apenas porque é um bom remédio.



Find Karen on Facebook

Follow Karen on Twitter

segunda-feira, 23 de maio de 2016

CONSCIÊNCIA DIÁRIA: Toda tempestade é apenas temporária

Toda tempestade é apenas temporária

O Rav costumava ensinar: ” Todo caos tem uma data de validade, que expira.”

Quando estiver atravessando um dos momentos mais difíceis da vida, não se esqueça de que toda tempestade é apenas temporária, e o céu se torna muito mais claro no final.



Find Karen on Facebook

Follow Karen on Twitter

quarta-feira, 18 de maio de 2016

CONSCIÊNCIA DIÁRIA: Dê todo amor que puder

Dê todo amor que puder

Por sermos pessoas que se importam com os demais, quando vemos alguém passar por um momento difícil, frequentemente queremos lhe dar algum conselho. Mas quando alguém está sofrendo, nem sempre é a melhor hora de compartilhar nossa sabedoria. Às vezes, tudo que uma pessoa quer é uma mão para segurar, um ombro sobre o qual chorar e um ouvido para escutar.

Coloque-se à disposição da pessoa que você constatar que está sofrendo. Não lhe dê conselhos. Não faça discursos. Apenas sente-se ao seu lado, segure suas mãos e lhe dê todo o amor que pude dar.



Find Karen on Facebook

Follow Karen on Twitter